Outros pontos foram surgindo no decorrer da reunião, a custódia de presos e a impossibilidade legal de mantê-los na delegacia, demostrando a necessidade de suas transferências à Brumado, nesse sentido a CAESG se comprometeu a prestar assistência para que a cidade não fique sem guarnição durante essas transferências, o Major Mascarenhas, disse que a CIPE está disponível sempre que necessário e pediu apoio da sociedade para indicar locais e denúncias de crimes. Neste sentido, tanto a CIPE quanto a 34ª Cia divulgaram números para denúncias anônimas. Whatsapp Denúncia (77) 99974-3897.

A polícia civil levou dados importantes como a elucidação de 88% dia crimes e afirmou que o número de agentes não é o suficiente, mas que Barra da Estiva está no topo da lista para receber novos agentes da polícia civil. Sobre os problemas identificados da Depol de Barra da Estiva, o coordenador Dr Leonardo Rabelo, garantiu que estaria tomando providências e disponibilizou seu contato ao Conselho Comunitário e demais participantes da reunião para que pudessem relatar quais outros eventuais acontecimentos.

Os representantes da Prefeitura Municipal, informou que tem contribuído além da responsabilidade, sendo metade dos funcionários da Depol, servidores cedidos pelo município, além de firmar convênios e contribuir financeiramente para que haja mais segurança aos munícipes.

A Câmara de Vereadores, representada pelo presidente sr Valter Pereira foi orientado a legislar junto ao poder executivo a munipalização do trânsito. 

O Ministério Público e Judiciário, enfatizaram que a morosidade judicial se dá pois os representantes, Dra Maria Salete Suede e dr. Egildo Lima Lopes, são substitutos tendo outras comarcas para atender e sem juiz e promotor titulares a demora na resposta judicial, infelizmente é uma realidade, contudo, ambos indicaram a intenção de dar maior celeridade nas ações para evitar a sensação de impunidade.

Por fim, foi reiterado a participação popular, nas denúncias e na importância do registro de boletim de ocorrências.

Dados comparativos do ano passado e deste ano, não mostram aumento na violência. 

Todos os envolvidos, demostraram ter consciência da necessidade de garantir a população uma segurança de qualidade.

CONTINUE LENDO