BUSCA PELA CATEGORIA "ECONOMIA"

  • Governo estuda corrigir e acabar com deduções do Imposto de Renda

    Segundo informações divulgadas ontem (9), mudanças na tabela do Imposto de Renda serão alguns dos pontos abordados na reforma Tributária do governo Bolsonaro. De acordo as informações, a equipe econômica cogita acabar com deduções de gastos com saúde e educação no IR para reduzir a alíquota máxima da tabela, hoje em 27,5%.

    Há ainda possibilidade de que o governo ajuste a faixa de isenção do IR só pela inflação. As intenções estão sob análise do Ministério da Economia. Devem ser apresentadas ainda neste mês pelo ministro Paulo Guedes (Economia).

    Entre outras mudanças na reforma Tributária, o governo deve propor a fusão de tributos em 1 imposto único –seria a unificação do PIS, Confins, IPI, CSLL e o IOF –, e a permissão de que haja desoneração em folha de pagamentos.







  • INSS cria estratégia para agilizar concessão de benefícios

    A partir de hoje (9), o INSS começa a trabalhar mecanismos para tentar zerar a fila de espera por benefícios. A Estratégia Nacional de Atendimento Tempestivo (ENAT), criada a partir de uma resolução publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira, determina que unidades da Previdência Social e a administração geral do instituto comecem a investir em ações para otimizar a gestão, aumentar a produtividade e a eficiência na análise dos pedidos e na conclusão dos requerimentos de reconhecimento inicial de direitos.

    A medida trata dos pedidos de reconhecimento inicial de direitos e prevê que estes sejam concluídos em até 45 dias a partir da entrada dos documentos pelos beneficiários. Apenas casos que tenham pendências de cumprimento de exigência por parte do segurado requerente estariam fora dessa exigência. (Agência Brasil)



  • Poupança tem retirada de R$ 1,6 bi, a maior para julho desde 2015

    Os saques da poupança superaram os depósitos em julho. A retirada líquida chegou a R$ 1,605 bilhão, informou hoje (6) o Banco Central (BC). Esse foi o primeiro resultado negativo para meses de julho desde 2016 (R$ 1,115 bilhão) e a maior retirada líquida para o mês desde 2015 (R$ 2,453 bilhões).

    No mês passado, foram aplicados R$ 213,004 bilhões, contra a retirada de R$ 214,609 bilhões. Os rendimentos creditados nas contas de poupança somaram R$ 3,020 bilhões. O saldo da poupança nos bancos ficou em R$ 802,063 bilhões.

    No acumulado de sete meses do ano, a poupança apresenta retirada líquida de R$ 16,104 bilhões. Em 2019, apenas nos meses de março (R$ 1,852 bilhão) e junho (R$ 2,497 bilhões) houve captação líquida, com mais depósitos do que saques. (Agência Brasil)



  • Venda de veículos aumenta 12,1% no primeiro semestre

    Foto: Reprodução

    No Brasil a venda de veículos aumentou 12,1% de janeiro a julho de 2019 na comparação com o mesmo período do ano anterior, passando de 1,38 milhão de unidades para 1,55 milhão.

    Quando comparadas as vendas de julho de 2019 (243,6 mil) com o mesmo mês de 2018 (217,5 mil), houve elevação de 12%. Na comparação com junho, os licenciamentos aumentaram 9,1%.

    Os dados foram divulgados hoje (6) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).



  • Petrobras lucra R$ 18,8 bilhões, maior resultado trimestral na história da estatal

    A Petrobras registrou um lucro líquido recorde de R$ 18,866 bilhões no segundo trimestre de 2019, melhor resultado trimestral da história da empresa, quatro vezes maior que o obtido no trimestre anterior e 87,3 % superior ao do mesmo período de 2018. O principal fator para alavancar os ganhos foi a venda da Transportadora Associada de Gás (TAG), informou a estatal nesta quinta-feira (01/08).

    Em relação ao primeiro trimestre, quando a empresa registrou lucro de R$ 4,031 bilhões, o aumento foi de 368%.

    "Apresentamos um bom resultado financeiro no segundo trimestre, beneficiado principalmente pela venda da TAG, com lucro líquido alcançando um recorde histórico", afirmou através de nota o presidente da companhia, Roberto Castello Branco. A TAG também afetou o resultado das receitas e despesas operacionais. No segundo trimestre, a receita operacional foi de R$ 8,6 bilhões, contra uma despesa operacional de R$ 11,3 bilhões no trimestre anterior.

    Se a venda da transportadora for descontada dos cálculos, o lucro líquido ajustado foi de R$ 5,2 bilhões. Fatores externos, como o preço do petróleo e a taxa de câmbio, também ajudaram a inflar os lucros. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado foi de R$ 32,65 bilhões, aumento de 8,6% em relação ao mesmo período de 2018.

    A Petrobras lançou um amplo programa de venda de ativos para se recuperar da grave crise que atingiu a empresa a partir de 2014, consequência da Operação Lava Jato e da queda dos preços do petróleo no mercado mundial. Em julho, a estatal privatizou a BR Distribuidora, arrecadando R$ 8,6 bilhões. Uma das maiores operações desse programa foi a venda em junho de 90% de sua participação na TAG, consórcio liderado pela francesa Engie.

    A Petrobras registrou em 2018 seu primeiro lucro líquido anual em cinco anos, de 25,8 bilhões.(DW)

    CONTINUE LENDO


  • Brasil inicia oficialmente negociações de acordo comercial com EUA, diz Guedes

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (31), após encontro com o com o secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur L. Ross Jr, que o Brasil iniciou oficialmente as negociações para o fechamento de um acordo comercial com os Estados Unidos.

    Antes do encontro com Guedes, Ross foi recebido em audiência pelo presidente Jair Bolsonaro. As tratativas com os Estados Unidos se iniciaram depois que o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) fecharam em junho, após 20 anos de conversas, um acordo de livre comércio com a União Europeia.

    "Ficou amarrado o seguinte: o que era só um pensamento, agora já estamos oficialmente começando as negociações com os Estados Unidos", declarou Paulo Guedes.

    Segundo ele, ao final da reunião, Ross disse que o acordo é desejo dos EUA.

    "Quando terminamos [a reunião com Wilbur L. Ross Jr], nosso secretário perguntou: 'Oficialmente estamos em negociações?' E a resposta foi: 'Certamente. Nós [Estados Unidos] queremos isso'", declarou o ministro da Economia.

    Guedes afirmou que o objetivo do governo brasileiro é fechar uma “aliança estratégica” com os Estados Unidos, algo que seria mais profundo que um acordo comercial.

    Em janeiro, durante visita ao Brasil do presidente argentino Mauricio Macri, as chancelarias dos dois países discutiram a possibilidade de flexibilizar uma regra do Mercosul que proíbe integrantes do bloco e negociar individualmente acordos de livre comércio com outros países.

    Por essa regra, os membros do Mercosul ficam impedidos de negociar tarifas comerciais de forma bilateral com outros países. Mas, para outras iniciativas (investimento, serviços, compras governamentais, segurança, defesa, facilitação de comércio, acordo de proteção de investimentos, fim da bitributação), não é necessária a consulta ao bloco.

    “Existe uma decisão brasileira de maior integração e ela se faz em vários planos. No plano regional, quando alia o Mercosul não em torno de uma ideologia, mas em torno de uma integração competitiva, de uma economia de mercado”, declarou Guedes.

    Segundo o ministro, os eventuais ganhos de um acordo com os Estados Unidos seriam integração, aumento do fluxo de comércio, investimentos, absorção de tecnologia e fusões de empresas.

    “Os ganhos são tão grandes que, quando a gente vê os obstáculos... Precisa ver que há interesses que podem ser contornados”, declarou.

     

    Trump

     

    Nesta terça-feira (30), o presidente norte-americano Donald Trump afirmou que quer seguir em frente com um acordo de livre comércio com o Brasil.

    Falando a repórteres na Casa Branca, ele afirmou que tem um bom relacionamento com Brasil e com o presidente Jair Bolsonaro.

    "Eu tenho um ótimo relacionamento com o Brasil. Eu tenho um relacionamento fantástico com o seu presidente. Ele é um grande cavalheiro. Dizem que ele é o Trump do Brasil. Eu gosto disso, é um elogio. Eu acho que ele está fazendo um ótimo trabalho. É um trabalho duro, mas acho que seu presidente está fazendo um trabalho fantástico. Ele é um homem maravilhoso com uma família maravilhosa", disse Trump, na ocasião.

    CONTINUE LENDO


  • Saiba quem poderá sacar o FGTS e como serão as novas regras

    Foto: Reprodução

    O Governo federal confirmou a liberação de saques das contas ativas e inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), em anúncio realizado na tarde desta quarta-feira. em Brasília. Os saques poderão ser feitos a partir de setembro deste ano, segundo um calendário preparado pela Caixa Econômica Federal. Além do saque imediato até 500 reais por conta ativa e inativa do FGTS, a equipe econômica do Governo Bolsonaro anunciou a liberação do que chamou de Saque-Aniversário, ou seja: a partir de 2020 o trabalhador poderá sacar anualmente um percentual do seu saldo disponível.

    Há atualmente 260 milhões de contas vinculadas ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, sendo que oito em cada dez contas possuem um saldo de até 500 reais. Para saber quanto o trabalhador possui de saldo, basta acessar o site da Caixa ou do próprio FGTS. Também é possível tirar o extrato das contas pessoalmente, nas agências da Caixa, ou ainda pelo aplicativo do Fundo. 

     Com a liberação dos saques das contas do FGTS, o Ministério da Economia espera atingir 96 milhões de trabalhadores e injetar na economia 30 bilhões neste ano e 12 bilhões em 2020. Também visando reagir à estagnação da economia brasileira, anunciou ainda uma nova liberação para saques do fundo PIS/Pasep. "Estamos devolvendo aos trabalhadores o direito de sacar o seu dinheiro do FGTS. Estamos garantindo mais liberdade ao trabalhador com o seu dinheiro", disse o presidente Jair Bolsonaro.

    Com a liberação dos saques das contas do FGTS, o Ministério da Economia espera atingir 96 milhões de trabalhadores e, com isso, colocar para circular 42 bilhões de reais até em 2020. 

    Saque-Aniversário

    O cronograma de saques para a modalidade Saque-Aniversário ainda será divulgado pela Caixa no ano que vem. Mas a partir de 2021, o brasileiro com saldo no FGTS terá três meses para sacar seu dinheiro: o mês do seu aniversário e os dois meses subsequentes. Ou seja, a pessoa que faz aniversário em 10 de maio terá entre o dia 1 de maio até o último dia útil de julho para efetuar o saque da conta, cujo valor também depende do saldo disponível.

    O cotista precisa comunicar sua intenção de aderir à modalidade à Caixa a partir de outubro de 2019. Entretanto, caso mude de ideia depois, terá de esperar até dois anos para voltar à regra anterior. Quem optar por aderir ao saque-aniversário não poderá mais retirar o que tiver disponível em suas contas no fundo no caso de uma demissão.

    Como o saque anual permite apenas a retirada de um percentual das contas, as demais hipóteses de retirada —como para a compra de um imóvel, aposentadoria ou em caso de doenças graves, por exemplo— continuam iguais. "O trabalhador, poderá, portanto, mesmo em caso de opção pelo saque-aniversário, utilizar seu saldo para compra de imóveis para habitação ou usá-lo para pagar dívidas resultantes de financiamento habitacional", esclarece a Caixa. 

    Como consultar o saldo disponível

    Para saber quanto o trabalhador possui de saldo, basta acessar o site da Caixa ou do próprio FGTS. Também é possível tirar o extrato das contas pessoalmente, nas agências da Caixa, ou ainda pelo aplicativo do Fundo (disponível para iOS, Android e Windows).

    Ainda visando reagir à estagnação da economia brasileira, anunciou ainda uma nova liberação para saques do fundo PIS/Pasep. "Estamos devolvendo aos trabalhadores o direito de sacar o seu dinheiro do FGTS. Estamos garantindo mais liberdade ao trabalhador com o seu dinheiro", disse o presidente Jair Bolsonaro, ao assinar a medida provisória autorizando os saques. (El País,Agencias)



  • Governo quer liberar compra de botijão parcialmente cheio

    O governo quer mudar as regras para facilitar a compra de botijões de gás pela população. A proposta em estudo é permitir que os consumidores possam abastecer seus bujões em qualquer distribuidora e liberar a compra de bujões parcialmente cheios – a exemplo do permitido no abastecimento de veículos, que pode ser feito em postos de todas as bandeiras e em qualquer quantidade.

    De acordo com o diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, a regulação atual está repleta de proibições e restrições, especialmente para o gás de cozinha. “Aumentar oferta e dar transparência aos preços não basta”, disse ele. Hoje, os bujões são vendidos, em média, a R$ 70. Segundo ele, o custo do produto é de R$ 26; tributos estaduais representam R$ 10, e federais, R$ 2. 

    A ideia em estudo é revogar a diferenciação nos preços do gás de cozinha. Hoje, o botijão residencial de R$ 13 kg tem um subsídio, mas todos os demais envasamentos não contam com o mesmo benefício. Outra restrição em vigor – e que também deve ser revista – é a que impede que um botijão de uma determinada marca possa ser abastecido por uma empresa concorrente.

    A regulação deve ser revista em reunião programada para o fim de agosto, disse o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. A decisão será tomada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) e deve entrar em vigor ainda neste ano.

    Para Oddone, a permissão para que os consumidores possam encher seus botijões com o volume que quiserem pode beneficiar a população mais carente. (Estadão)



  • Abono do PIS/Pasep começa a ser pago nesta quinta (25)

    Foto: Agência Brasil

    Amanhã (25) inicia o pagamento do abono salarial do Programa de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), exercício 2019/2020.

    A liberação do dinheiro para os cadastrados no PIS vai considerar a data de nascimento. No caso do Pasep, o calendário é definido pelo dígito final do número de inscrição.



  • Planos de saúde: ANS limita reajuste individuais e familiares a 7,3%

    A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) anunciou ontem (23) que o reajuste anual dos planos de saúde individuais e familiares com aniversário entre maio de 2019 e abril de 2020 não poderá ultrapassar 7,35%. A publicação ocorre hoje (24) no Diário Oficial da União.

    A metodologia do cálculo que define o limite do reajuste foi mudada pela ANS após oito anos de estudos e discussões com o setor e a sociedade. Pela primeira vez, a agência combinou o Índice de Valor das Despesas Assistenciais (IVDA), calculado por ela própria, com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), sem o subitem plano de saúde. O IPCA é o indicador oficial que mede a inflação na economia brasileira e é divulgado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    O IVDA mede a variação dos custos com atendimento aos beneficiários de planos de saúde e tem peso de 80% nessa nova metodologia da ANS. Já o IPCA (sem o subitem planos de saúde) tem peso de 20% e serve para considerar os custos das operadoras com despesas de outras naturezas, como as administrativas. 

    O percentual máximo para reajuste autorizado para 2019 é o menor desde 2010. No ano passado, a agência autorizou reajustes de até 10% para os planos individuais e familiares, e, nos três anos anteriores, o reajuste máximo ficou na casa dos 13%.

    A agência orienta os beneficiários a observarem se os reajustes aplicados serão iguais ou inferiores a esse limite e se a cobrança reajustada está sendo feita a partir do mês de aniversário do contrato.  

    Segundo dados da agência reguladora, em 2018 o número de procedimentos realizados com a cobertura dos planos de saúde aumentou 5,4%, enquanto o número de beneficiários permaneceu praticamente estável, variando de 47,15 milhões em 2017 para 47,26 milhões em 2018. 

    O limite de reajuste é válido para os planos de saúde individuais ou familiares médico-hospitalares contratados a partir de janeiro de 1999 ou adaptados à Lei nº 9.656/98. Esse grupo inclui atualmente 17% do total de beneficiários em planos de assistência médica - aproximadamente 8 milhões de usuários.  



  • ACADEMIA DA SAÚDE SERÁ INSTALADA EM PRAÇA DE GUAJERU

    O prefeito, Gil Rocha e equipe técnica da prefeitura municipal de Guajeru, estiveram vistoriando a Praça Marcelino Meira Neto para definição de Projeto para construção e instalação da Academia da Saúde.

    "O projeto será executado nos padrões do Ministério da Saúde e será executado com RECURSOS PRÓPRIOS, a praça Marcelino Meira Neto fica ao lado do Centro de Saúde, será um espaço adequado de promoção a saúde que promovera práticas corporais e atividade física, educação em saúde, contribuindo para a produção do cuidado e de modos de vida saudáveis e sustentáveis de nossa população. Será um espaço de infraestrutura, equipamentos e profissionais qualificados" disse Rocha.

     

     

    ACADEMIA DA SAÚDE SERÁ INSTALADA EM PRAÇA DE GUAJERU


  • Abono do PIS/Pasep começa a ser pago na próxima semana

    Na próxima quinta-feira (25) começa o pagamento do abono salarial do Programa de Integração Social (PIS) e do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), exercício 2019/2020. A liberação do dinheiro para os cadastrados no PIS vai considerar a data de nascimento e os do Pasep, o dígito final do número de inscrição.

    Os trabalhadores que nasceram entre julho e dezembro receberão o abono do PIS ainda este ano. Já os nascidos entre janeiro e junho terão o recurso disponível para saque em 2020. Recebem também este ano os servidores públicos cadastrados no Pasep com dígito final do número de inscrição entre 0 e 4. Os com final entre 5 e 9 receberão no próximo ano.

    A data para o fechamento do calendário de pagamento do exercício 2019/2020 está prevista para o dia 30 de julho de 2020. A estimativa é de que sejam destinados R$ 19,3 bilhões a 23,6 milhões de trabalhadores. O pagamento do abono salarial referente ao PIS será feito pela Caixa em suas agências em todo o país; e o abono do Pasep será pago no Banco do Brasil. (Informações Agência Brasil)







  • Receita libera consulta a 2º lote de restituição do IR nesta segunda

    A Receita Federal libera às 9h desta segunda-feira (8) consulta ao segundo lote de restituição do IR (Imposto de Renda) de 2019.

    Ao todo, R$ 5 bilhões serão creditados, dos quais R$ 2,36 bilhões serão pagos a idosos, pessoas com deficiência e contribuintes cuja maior fonte de renda venha do ensino.

    A previsão é que o pagamento seja realizado para 3,16 milhões de contribuintes na próxima segunda-feira (15).

    Também serão liberadas as restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2018, a 90 mil pessoas que ficaram na malha fina.

    A consulta pode ser feita na página da Receita na internet (www.receita.economia.gov.br), onde é possível acessar o extrato de declaração do imposto e verificar se há erros, como omissão de rendimento ou inconsistência de dados.

    Nesse caso, é possível corrigir as informações e enviar uma declaração retificadora.

    Contribuintes também podem checar pelo aplicativo do IR ou ainda pelo número de telefone 146.

    A correção pela taxa básica de juros Selic aplicada às restituições do exercício de 2019 será de 2,01%.

    Caso o valor não seja creditado, o contribuinte deve entrar em contato com a central de atendimento do Banco do Brasil por telefone ou ir a alguma das agências bancárias.



  • Tarifas do transporte rodoviário intermunicipal tem reajuste de 3,3%

    Foto: Divulgação | Agerba

    As tarifas das linhas rodoviárias intermunicipais de longa distância na Bahia foram reajustadas com aumento de 3,3% nesta terça-feira (6). O aumento foi regulamentado pela Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba).

    O aumento vale para 82 destinos que possuem linhas rodoviárias intermunicipais na capital. A lista completa dos locais está no site da Agerba.

    Segundo a agência, a alta no valor das passagens é anual. A Agerba informou ainda que o aumento no percentual das tarifas foi definido com base na correção dos índices do IPCA, IGPM e variação do diesel.

    De acordo com a Agerba, a margem de aumento é determinada através de pesquisas que analisam o gasto das empresas com os funcionários, peças dos ônibus, combustível, entre outros insumos. O último reajuste concedido às empresas foi dado em janeiro de 2018.







  • Venda de veículos sobe 12% nos primeiros quatro meses de 2019

    A venda de veículos automotores registrou alta de 12,2% nos primeiros quatro meses do ano em comparação a igual período do ano anterior. Segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), divulgados hoje (2), 1.244.151 unidades foram licenciadas de janeiro a abril de 2019, ante 1.108.897 unidades comercializadas no mesmo período do ano passado.

    As vendas levam em conta automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus e motocicletas. No mês de abril foram emplacados 339.424 veículos, 11,1% acima do volume registrado no mês de março de 2019, quando 305.524 unidades foram licenciadas. Na comparação com abril de 2018, mês que registrou 311.160 unidades emplacadas, a alta é de 9,08%.

    Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, o desempenho positivo em abril está relacionado a dois dias úteis a mais, com relação ao mês de março, mas também a uma gradual elevação nos índices de confiança do consumidor.  “O mercado, como um todo, manteve o ritmo de recuperação. A média diária de vendas cresceu 0,5%”, disse.

    Nos segmentos de automóveis e comerciais leves, o resultado do quadrimestre registrou 801.330 unidades emplacadas, representando crescimento de 8,71% em relação a igual período do ano passado, quando foram licenciadas 737.135 unidades. Em abril, esses dois segmentos somaram 221.321 unidades emplacadas, contra 199.528 em março, registrando alta de 10,92%. Na comparação com as 209.940 unidades de abril de 2018, a evolução foi 5,42%.

    CONTINUE LENDO