BUSCA PELA CATEGORIA "Educação"

  • MEC divulga nova chamada do Prouni do 2º semestre de 2017

    O Ministério da Educação divulgou na manhã desta segunda-feira (26) a segunda chamada do Programa Universidade para Todos (Prouni) do segundo semestre de 2017.

    A lista de selecionados (http://prounialuno.mec.gov.br//consulta/lista-espera) pode ser consultada filtrando pelo nome da instituição de ensino, campus, curso e turno. Também é possível saber se o candidato está na lista de espera. Outra opção para ter acesso ao resultado e com número de inscrição do Enem 2016 e senha.

    Os alunos convocados devem apresentar a documentação nas instituições de ensino a partir desta segunda (veja o calendário abaixo). Quem não cumprir os prazos, perderá o direito à bolsa.

    Nesta edição são oferecidas 147.492 bolsas, sendo 67.603 integrais e 79.889 parciais em instituições particulares de ensino superior. A seleção é feita a partir do desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), levando em conta critérios socioeconômicos da família do estudante.

    A lista de convocados na primeira chamada foi divulgada no dia 12 de junho.

    No ano passado, na edição do meio do ano, foram oferecidas oferecidas 125.442 bolsas, sendo 57.092 integrais e 68.350 parciais ofertadas em 22.967 cursos de 901 instituições de ensino superior.

    Para disputar uma bolsa parcial ou integral é necessário ter média de 450 pontos de nota mínima no Enem, ter sido aluno de escola pública ou bolsista na particular, e obedecer a alguns critérios socioeconômicos.

    A bolsa integral é destinada aos estudantes que possuem renda familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Já o teto da bolsa parcial, de 50% do valor da mensalidade, é de até três salários mínimo.

    Calendário do Prouni 2017.2

    Veja abaixo das datas:

    Resultado da segunda chamada: 26 de junho
    Comprovação de informações: 26 a 30 de junho
    Prazo para manifestar interesse em participar da lista de espera:7 a 10 de julho







  • MEC divulga nesta segunda o resultado do ProUni do segundo semestre

    O Ministério da Educação divulgará nesta segunda-feira (12) o resultado do Programa Universidade para Todos (ProUni) do segundo semestre de 2017. Estão sendo oferecidas 147.492 bolsas em 1.076 instituições privadas de educação superior. O resultado estará disponível na página do programa na internet.

    Até o dia 19 de junho, os estudantes pré-selecionados deverão procurar as instituições de ensino para comprovar as informações prestadas no momento da inscrição. A perda do prazo ou a não comprovação das informações levará, automaticamente, à reprovação do candidato.

    Podem concorrer às bolsas do ProUni estudantes brasileiros da rede pública ou bolsistas integrais de escolas particulares, que não tenham diploma de curso superior. É preciso ainda ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2016, ter obtido no mínimo 450 pontos na média das notas do exame e não ter tirado zero na redação.

    Os candidatos que pleitearem bolsas integrais devem ter renda familiar bruta mensal per capita de, no máximo, um salário mínimo e meio. No caso da bolsa parcial, a renda familiar não pode ser maior que três salários mínimos. Do total de bolsas, 67.603 são integrais e 79.889, parciais.

    O processo seletivo será constituído de duas chamadas sucessivas. A primeira está marcada para amanhã e a segunda está prevista para 26 de junho. Na segunda chamada a comprovação das informações deverá ser feita de 26 a 30 de junho.
    Para participar da lista de espera, o estudante deverá manifestar seu interesse na página do programa, entre 7 e 10 de julho. A lista estará disponível no sistema, para consulta pelas instituições de educação superior, no dia 13 de julho. Nesse caso, o candidato deverá comparecer à instituição e entregar a documentação no período de 17 a 18 de julho.  (Correio24horas)
    CONTINUE LENDO


  • Livro que aborda tema do incesto será recolhido de escolas, diz MEC

    Foto: Divulgação

    O Ministério da Educação (MEC) determinou o recolhimento de 93 mil exemplares do livro "Enquanto o Sono Não Vem" (Editora Rocco), distribuído por meio do Programa Alfabetização na Idade Certa (Pnaic) para crianças entre 6 e 8 anos de escolas públicas. A decisão foi tomada depois de um parecer técnico da Secretaria de Educação Básica, que considerou a obra inadequada para essa faixa etária.

    De acordo com o MEC, um dos contos do livro, "A triste história de Eredegalda", teria provocado uma onda de reclamações entre professores e diretores. O conto relata a história de um rei que deseja casar-se com uma de suas filhas. A menina, que se recusa, é castigada. No parecer que justifica a decisão de recolher os livros, a Secretaria de Educação Básica afirma que crianças na faixa etária "não adquiriram autonomia, maturidade e senso crítico para problematizar determinados temas com alta densidade, como é o caso da história em questão". A decisão do MEC ocorre depois de prefeituras de cidades do Espírito Santo determinarem, por conta própria, a retirada do livro. O autor da obra, José Mauro Brant, disse estar surpreso com a decisão do MEC. O livro, de 2003, integra uma coleção composta de 9 títulos que reúne recontos de histórias populares, já foi adotado em diferentes ocasiões por escolas e comprado por governos em 2005 e 2014. "Percorri o Brasil com uma peça em que essa história é contada. Nunca provocou essa reação", diz Brant. A estreia do espetáculo com vários contos folclóricos foi há 20 anos, no Museu do Folclore, no Rio. A versão que inspirou o conto publicado no "Enquanto o Sono Não Vem" foi ouvida em Barbacena, em Minas. Para o autor, a decisão do MEC reflete a falência das políticas de leitura. "Não é a compra do livro que faz a formação do leitor. É necessário espaço para discutir os textos, instrumentos valiosos para se estudar realidades locais", completou. Brant avalia que a história da princesa pode ser uma ótima oportunidade para discussões. "Como o que poderia fazer, por exemplo, com que o final da história fosse diferente." O livro foi incluído no Pnaic, um programa para auxiliar a alfabetização de crianças entre 6 a 8 anos, em 2014. Somente agora, no entanto, a obra foi distribuída. O livro foi avaliado e aprovado pelo Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita da Faculdade de Educação (Ceale) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). "A decisão abre um perigoso precedente. É preciso saber o que é livro didático e o que é literatura", completou. Com a decisão do MEC, o livro será recolhido e, num segundo momento, distribuído para bibliotecas públicas. Não foi informado, no entanto, como essa operação será feita. O livro não será substituído por outra obra nesta fase do Pnaic.(Bahia Notícias)

    CONTINUE LENDO


  • Resultado do Sisu será divulgado nesta segunda-feira

    Será divulgado nesta segunda-feira (5) o resultado, em única chamada, da seleção do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) para o 2º semestre de 2017. A lista de espera também será aberta. A matrícula deverá ser efetuada entre os dias 9 e 13 de junho.

    Nesta edição, são ofertadas 51.913 vagas em 1.462 cursos de 63 instituições, entre universidades federais, estaduais e institutos federais.

    O Sisu é o ambiente virtual criado pelo Ministério da Educação (MEC) para selecionar estudantes a vagas em instituições públicas de educação superior. Participam do processo seletivo candidatos que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2016 e tiraram nota superior a zero na redação. (MSN Notícias)



  • Processo de doação do terreno para a construção da UNEB em Brumado é concretizado

    Foto: Divulgação

    Foi concretizado hoje (01) em Salvador, na sede da Uneb, o processo de doação do terreno para construção da tão desejada sede do Campus XX desta universidade na cidade de Brumado, após um longo processo, onde foram observadas todas as questões necessárias para a doação do terreno pertecente ao empresário Alipio Joaquim da Silva, proprietário da AJS Empreendimentos Imobiliários Ltda , e a viabilidade da área para a construção de um campus universitário, uma vez que visitas técnicas ao local foram realizadas e aprovadas.
         

    Estiveram presentes no gabinete do Reitor José Bites de Carvalho, o empresário Alipio Joaquim da silva, a diretora da AJS,  Mariana Oliveira Silva Pires e Alessandro Oliveira Silva, para a assinatura do documento de doação do terreno de 40.000 m2 , que somados aos 10.000 m2 doado pela prefeitura, resulta numa área total de 50.000 m2, onde poderão ser aproveitados para  diversos cursos, promovendo uma expansão universitária para o progresso do municipio de Brumado e região.

    Após este ato, toda população brumadense e cidades vizinhas podem voltar a sonhar com a sede própria  do Campus XX da Universidade do Estado da Bahia



  • razo de inscrição no Sisu do 2º semestre termina nesta quinta

    O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) do segundo semestre de 2017 encerra as inscrições às 23h59 desta quinta-feira (1º). Nesta edição, estão em disputa 51.913 vagas em 63 instituições de educação superior.

    Até as 12h de quarta-feira (31) o sistema registrou 748.185 inscritos. Só podem participar estudantes que tenham participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2016 e que não tenham zerado na redação.

    O processo é gratuito e pode ser feito pela página http://sisu.mec.gov.br/. É preciso usar o número de inscrição e senha do Enem 2016 (ou a senha cadastrada no Enem 2017, para quem já se inscreveu novamente). No sistema, o candidato deverá selecionar, por ordem de preferência, até duas opções de cursos. Essas escolhas poderão ser modificadas durante todo o período de inscrições.



  • nem 2017 tem o menor número de inscritos confirmados desde 2013

    A edição 2017 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) terá o menor número de inscrições confirmadas desde 2013. Neste ano, o governo diz que ao menos 6,1 milhões de candidatos já estão aptos a realizarem as provas. Mas esse número pode subir, já que entre os 1,4 milhão que não confirmaram suas inscrições há pessoas que têm direito a recurso para tentar a isenção da taxa.
    O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) mudou neste ano os critérios de isenção. O órgão incluiu no sistema um cruzamento de dados entre a declaração de carência e os dados do governo federal sobre famílias carentes. Por isso, subiu o total de pedidos de isenção recusados no Enem.

    Após a reclamação dos candidatos, o Inep fez um acordo com o Ministério Público Federal para dar um prazo para que esses inscritos possam recorrer e comprovar seu direito à isenção.

    Além dos problemas com a isenção, o total de inscritos caiu porque o Enem não poderá mais ser usado como diploma de conclusão do ensino médio. Agora, essa função ficará com o o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja).

     

    No ano passado, 8.627.194 pessoas confirmaram a inscrição após o prazo de pagamento da taxa. No Enem 2015, esse número foi de 7.746.057 pessoas. O recorde histórico de inscrições confirmadas aconteceu no Enem 2014: foram 8.721.946 inscrições confirmadas após o prazo.

    Direito à isenção

    Antes, a isenção era automática para alunos concluintes do ensino médio. E havia ainda a possibilidade de autodeclaração de carência. Agora, isso mudou. A isenção é válida para pessoas que se encaixem em três categorias.

    Segundo Eunice Santos, diretora de gestão e planejamento do Inep, o órgão percebeu que muitos candidatos justificaram seus pedidos de isenção de forma " aleatória" (entre a Lei 12.799/2013 ou Decreto 6.135/2007) e os dados informados não "bateram" com o cadastro do Ministério do Desenvolvimento Social.

    De acordo com o Inep, só podem recorrer os candidatos que pediram a isenção, não conseguiram a isenção, mas não efetuaram o pagamento da taxa de R$ 82. Ainda segundo o governo federal, o Inep não vai avaliar todas as 1,4 milhão de inscrições que não foram confirmadas: só serão avaliados os casos dos candidatos que enviarem os documentos exigidos para o e-mail [email protected].

    Travestis e transexuais

    Os travestis, transexuais ou demais candidatos e candidatas que desejam receber tratamento pelo seu nome social, e não civil, durante o exame, devem fazer a solicitação específica para isso. O prazo para isso termina às 23h59 do próximo domingo (4). A solicitação deve ser feita pelo site http://enem.inep.gov.br/participante.

    CONTINUE LENDO


  • Travestis e transexuais têm até 4 de junho para pedir uso do nome social no Enem

    O prazo para travestis e transexuais solicitarem o tratamento pelo nome social no dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) começou nesta segunda-feira (29) e vai até o dia 4 de junho. Esses participantes já devem ter feito a inscrição com o nome civil, que consta na carteira de identidade. O prazo de inscrição no exame terminou no dia 19.

    Para solicitar o uso do nome social, os candidatos ao Enem devem acessar a Página do Participante com o CPF e senha, e inserir, nos campos solicitados, os documentos comprobatórios para o atendimento: fotografia nítida, atual, colorida, com fundo branco e sem nenhum tipo de acessório, que enquadre da cabeça aos ombros; e, cópia digitalizada de um documento de identificação oficial.

    É necessário ainda preencher e assinar um formulário disponível na própria página do Enem. Em seguida, digitalizar o documento e enviar pelo site. Todos os documentos devem ser em formato PDF, PNG ou JPG.

    Caso a solicitação não seja aprovada, o participante receberá um e-mail solicitando um novo documento comprobatório, que deverá ser enviado ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no prazo máximo de três dias.

     

    O número de travestis e transexuais que usam o nome social no Enem cresce ano após ano. No ano passado, foi quatro vezes maior do que em 2014, primeiro ano da entrada em vigor da medida. Em 2014, 102 pessoas trans usaram o nome social durante a aplicação da prova, em 2015 esse número passou para 278 e, em 2016, 407.

    Neste ano, as provas do Enem serão aplicadas em dois domingos consecutivos, nos dias 5 e 12 de novembro. O resultado poderá ser usado em processos seletivos para vagas no ensino público superior, pelo Sistema de Seleção Unificada, para bolsas de estudo em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni), e para obter crédito pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). (Fonte: Correio24horas)

    CONTINUE LENDO


  • Prazo para inscrição no Enem termina nesta sexta-feira

    Hoje (18) é o penúltimo dia de inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As inscrições poderão ser feitas até as 23h59, no horário de Brasília, desta sexta-feira (19), no site do Enem. Aqueles que já fizeram a inscrição têm até o fim do prazo para fazer alguma alteração no cadastro, como por exemplo, a cidade em que deseja fazer as provas.

    Até a noite de ontem (17), segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 4,8 milhões haviam concluído a inscrição. As provas serão aplicadas em dois domingos consecutivos, nos dias 5 e 12 de novembro.

    Para concluir a inscrição, o candidato deve pagar a taxa de R$ 82. O prazo para pagamento vai até o dia 24 deste mês. Pelas regras do edital, estão isentos da taxa os estudantes de escolas públicas que concluirão o ensino médio este ano, os participantes de baixa renda que integram o Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico) e os que se enquadram na Lei 12.799/2013 que, entre outros critérios, isenta de pagamento aqueles com renda igual ou inferior a um salário mínimo e meio, ou seja, R$ 1.405,50.

    Os candidatos que solicitarem algum atendimento especializado ou específico, além da isenção da taxa do exame, deverão estar atentos aos documentos comprobatórios. Este ano, serão exigidos laudos médicos, que deverão ser enviados em formato digital pelo próprio sistema, além de outras informações, como o Número de Identificação Social (NIS), que comprove que o participante integra o CadÚnico.

    O atendimento especializado é concedido àqueles que comprovarem, por informação do código de Classificação Internacional de Doenças (CID) e inserção de laudo médico, condições de autismo, baixa visão, cegueira, deficiência física, deficiência intelectual/mental, déficit de atenção, discalculia, dislexia, surdez, deficiência auditiva, surdocegueira e visão monocular.

    Já o atendimento específico é garantido a gestantes, lactantes, idosos, estudantes em classe hospitalar e, a partir de 2017, a outras condições específicas, para as quais deverá ser informado o CID. Um exemplo são os participantes diabéticos que usem bomba de insulina.

    O resultado das provas poderá ser usado em processos seletivos para vagas no ensino público superior, pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), para bolsas de estudo em instituições privadas, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e para obter financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

    Em caso de problema na hora da inscrição, os candidatos podem ligar para o Inep pelo telefone 0800 616161. O atendimento é das 8h às 20h, no horário de Brasília. (Correio24horas)

    CONTINUE LENDO






  • nscrição para o Enem 2017 começa nesta segunda; veja como fazer passo a passo

    Portal do Enem teve mudança de layout para a edição 2017 (Foto: Divulgação/Inep)

    As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 começam nesta segunda (8), a partir das 10h. O prazo vai até as 23h59 de sexta (19). A taxa subiu para R$ 82 e o boleto precisa ser pago até 24 de maio.

    Para fazer a inscrição, você precisar saber:

    • qual o endereço de acesso

    • quais os documentos necessários

    • como definir sua senha

    • como pedir atendimento especializado

    • como solicitar a isenção

    O processo de inscrição está distribuído em seis seções no site do Enem: "Dados pessoais", "Recursos", "Prova", "Ensino Médio", "Escola" e "Questionário".

    Veja abaixo o passo a passo:

    1. Endereço para inscrição

    As inscrições ocorrem no site www.enem.inep.gov.br/participante.

    2. Documentos necessários

    O candidato precisa ter em mãos número do seu CPF. É necessário fornecer o dado, além da data de nascimento. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), então, vai cruzar as informações com o banco de dados da Receita Federal.

    Após incluir esses dados, o nome do participante, o nome da mãe e a data de aniversário serão preenchidos automaticamente e não poderão ser alterados. Em caso de erro, é preciso clicar no item que registra a incongruência. O estudante que verificou problema deverá procurar a Receita e solicitar a alteração.

    Ainda na seção de dados pessoais, é preciso indicar o endereço para contato, número de telefones fixo e celular, além de e-mail.

    3. Definição de senha

    Logo após inserir os dados pessoais, os candidatos devem escolher uma senha com no mínimo seis e no máximo 10 caracteres. Ela pode ter apenas números e letras, com distinção de minúsculas e maiúsculas.

    Neste ano, após polêmica com a falta de segurança na edição anterior, o Inep determinou que a recuperação da senha só vai ocorrer via SMS ou e-mail.

    O Inep ressalta que os participantes devem guardar suas senhas para evitar possíveis complicações. No ano passado, milhares de pessoas ficaram com o acesso temporariamente restrito ao sistema porque esqueceram suas senhas e precisaram criar uma nova.

    4. Solicitação de atendimento especializado

    Após informar os dados pessoais, o candidato passa para a seção "Recursos". Nela vai ter que responder se precisa de atendimento especializado ou atendimento específico para fazer a prova.

    São exemplos de casos que justificam o atendimento especializado: autistas, com baixa visão, cegueira, deficiência física, deficiência intelectual, déficit de atenção, discalculia, dislexia, surdez, deficiência auditiva, surdocegueira e visão monocular.

    Em 2017, uma nova modalidade para auxiliar concorrentes surdos ou com deficiência auditiva será oferecida em caráter experimental: prova em vídeo libras. Esses participantes poderão selecionar apenas um tipo de recurso, já que também estará disponível a opção do tradutor-intérprete de libras.

    Os estudantes que solicitarem esse tipo de recurso terão que indicar o código de Classificação Internacional de Doenças (CID) e anexar o laudo médico em formato .pdf, .png, .jpg no ato da inscrição.

    Uma comissão do Inep analisará a documentação anexada e deve enviar uma resposta sobre o deferimento do pedido em um prazo de 30 dias após o encerramento do registro – em 19 de maio.

    Exclusivamente nos casos de atendimentos especializados, será disponibilizada uma hora a mais de prova.

    5. Atendimento específico

    Gestantes, lactantes, idosos, alunos em classe hospitalar – que por motivos de saúde estudam em unidades médicas – têm o direito a atendimento específico desde que informem sua condição no ato da inscrição.

    A partir deste ano, essa solicitação também poderá ser feita para candidatos diagnosticados com algumas doenças. Por exemplo, diabéticos que usem bomba de insulina. O CID será exigido no momento da inscrição.

    O atendimento específico não dá direito a um hora adicional de prova.

    6. Nome social

    Travestis e transexuais podem solicitar o uso do nome social no exame. Para isso, devem fazer sua inscrição normalmente no site até 19 de maio.

    No período entre 29 de maio e 4 de junho, devem entrar novamente na página do participante do Enem e solicitar o uso do nome social. O candidato deve ter documentos comprobatórios de sua condição.

    7. Escolha do idioma e cidade da prova

    Dentro da seção "Prova", o estudante deve selecionar se quer responder a perguntas de inglês ou de espanhol como língua estrangeira.

    Além disso, durante essa fase da inscrição o concorrente terá que indicar a cidade onde deseja realizar o exame, que pode ser diferente daquele cadastrado na seção de dados pessoais.

    8. Informações sobre o ensino médio

    Na seção "Ensino Médio", os participantes precisam informar a sua situação em relação à conclusão do ensino médio. O sistema dá quatro opções para o candidato escolher: já concluí o ensino médio; estou cursando a última série/ano do ensino médio; estou cursando o ensino médio, mas não concluirei no ano letivo de 2017 e não estou cursando e não concluí o ensino médio.

    Candidatos com menos de 18 anos que não vão concluir o ensino médio neste ano, os “treineiros”, receberão uma informação de que estão impossibilitados de usar os resultados da prova para acesso ao ensino superior.

    9. Escola

    Esta seção só é exigida para os candidatos que afirmaram que vão concluir o ensino médio em 2017. O participante terá que informar a unidade federativa, o município e nome da escola, ou o código da instituição.

    10. Questionário socioeconômico

    A penúltima etapa é o questionário socioeconômico, onde os candidatos informam questões sobre escolaridade e profissão dos pais e renda familiar.

    Neste ano, os estudantes vão responder apenas 27 itens. Até 2016, eram 50.

    11. Imprimir boleto ou pedir isenção

    Os alunos que declararam a conclusão do ensino médio em 2017 e que estão matriculados na rede pública de ensino recebem isenção automática da taxa de inscrição e o processo é finalizado após o preenchimento do questionário socioeconômico.

    Os demais concorrentes terão mais uma etapa pela frente: podem pedir para gerar o boleto de pagamento da inscrição ou solicitar isenção da taxa. Nesse último caso, os estudantes deverão identificar o motivo para esse requerimento.

    Pedidos de isenção da taxa

    Três grupos com direito à isenção:

    1. Concluintes do Ensino Médio matriculados na rede pública de ensino;

    2. Membros de família de baixa renda em situação de vulnerabilidade socioeconômica inscritos no CadÚnico;

    3. Membros de família com renda familiar per capita igual ou inferior a 1,5 salário mínimo e que cursaram todo o Ensino Médio na rede pública ou como bolsista integral em escolas particulares.

    Ao declarar carência socioeconômica ou ao cadastrar o Número de Identificação Social (NIS), o estudante receberá automaticamente a informação se a isenção foi validada. Se a solicitação não for aceita, o sistema vai gerar a Guia de Recolhimento da União (GRU).

    Em coletiva técnica para explicar o processo de inscrição no certame, a diretora de gestão e planejamento do Inep, Eunice Santos, explicou que o sistema está conectado ao banco de dados do Ministério do Desenvolvimento Social.

    “A qualquer momento, o Inep poderá verificar as informações fornecidas pelos candidatos e tentativas de fraudes serão punidas com eliminação”, apontou.

    Até 2016, a isenção era concedida por meio da autodeclaração. As mudanças nas regras de gratuidade, segundo o órgão, foram implementadas para evitar prejuízos com o volume de abstenções. No ano passado, o rombo aos cofres públicos foi orçado em cerca de R$ 226 milhões.

    12. Confirmação de inscrição

    Ao concluir todas as etapas do registro, será gerado o número da inscrição em uma página com o resumo das informações recebidas. A situação do cadastro deverá ser consultada pelo participante nessa etapa do processo.

    13. Prazo para mudança de dados

    Até o término das inscrições – 19 de maio –, os participantes têm a opção de atualizar os dados de contato, mudar o município escolhido para a realização das provas e a opção de língua estrangeira, e solicitar atendimento especializado ou específico. Terminado o prazo, não será possível fazer qualquer alteração.

    Novidades

    Estudantes com surdez ou deficiência auditiva vão fazer uma prova diferente daquela aplicada aos demais concorrentes. De acordo com Eunice Santos, o exame será “mais adaptado à realidade do surdo”. Questões que possam envolver conhecimentos musicais, por exemplo, não vão constar na avaliação.

    Além disso, o Inep reformulou o layout do site do Enem. Informações importantes sobre o certame poderão ser acessadas por meio do endereço enem.inep.gov.br.

    O aplicativo lançado em 2016 recebeu novidades para a edição deste ano. Há uma seção de notícias destinada ao público geral. Assim, professores e pais vão conseguir acompanhar determinadas áreas que não exigem o login do participantes.

    O app fornece aos usuários o espelho da redação. gabaritos e o resultado individual. A ferramenta está disponível nas plataformas Android e IOS.

    CONTINUE LENDO


  • IFBA CAMPUS BRUMADO ABRE INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO DO PROJETO DE EXTENSÃO “SOM DO CAMPUS”

    O projeto "Som do Campus" tem como objetivo a formação e implantação de um coro de vozes formado por estudantes e visa produzir conhecimento de noções básicas sobre o canto, promover o diálogo e a interação entre a comunidade acadêmica e a sociedade, valorizar a importância da música como fundamento de equilíbrio e desenvolvimento integral, construir um processo de educação musical e cultural entre os participantes por meio da formação do Coro de Vozes, e ofertar novas opções de participação, integração, socialização e lazer aos participantes dos eventos comemorativos do IFBA Campus Brumado.

    De acordo com os objetivos e características do projeto “Som do Campus”, será realizada uma seleção dentre os candidatos inscritos através de entrevista e avaliação vocal, que levará em conta critérios como: afinação; ritmo; identificação do gosto musical e suas preferências e manutenção do equilíbrio do grupo. Serão priorizados candidatos que, com seu ingresso, preservem ou incrementem o equilíbrio do Coro (Sopranos, contraltos, tenores e baixos). As aulas e ensaios ocorrerão às quartas-feiras, das 14h às 16h.

    As inscrições estão abertas e podem ser realizadas até o dia 16 de abril, através do endereço eletrônico: https://goo.gl/forms/UAc4nCBDsBuIuww93. A seleção ocorrerá nos dias 18 e 19 de abril, às 13h30, no auditório do IFBA Campus Brumado. O dia da seleção de cada candidato será confirmado por e-mail ou telefone. Mais informações podem ser obtidas através do telefone (77) 3441-1607.



  • Candidatos na lista de espera do ProUni devem comprovar informações até terça (14)

    Os candidatos que estão na lista de espera do Programa Universidade para Todos (ProUni) têm esta segunda-feira (13) e a terça-feira(14) para levar a documentação solicitada às instituições de ensino superior. O resultado da lista de espera está disponível desde sexta-feira (10) e pode ser consultado nas próprias instituições.

    O candidato que constar na lista deve apresentar à instituição os documentos que comprovem as informações prestadas na ficha de inscrição. Cabe ao estudante verificar os horários e o local em que isso deve ser feito. A documentação necessária pode ser verificada no site do ProUni.

    A lista de espera do ProUni será usada pelas instituições de ensino na convocação de candidatos para preenchimento de bolsas eventualmente não ocupadas. As instituições recebem a classificação dos estudantes por curso e turno, segundo as notas obtidas no Exame Nacional do ensino Médio (Enem) de 2016.

    O ProUni oferece bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em instituições privadas e comunitárias de educação superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, a estudantes brasileiros sem diploma de nível superior. Neste semestre, foram ofertadas 214.242 bolsas.



  • Mudança no Enem 2017 aumenta o rigor para pedidos de isenção da taxa; entenda o que muda

    O ocesso de inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) vai se tornar mais difícil para quem quer pedir a isenção da taxa. De acordo com as mudanças no Enem 2017 anunciadas pelo Ministério da Educação na quinta-feira (9), os estudantes que têm direito à isenção por serem de famílias de baixa renda e que estejam cadastrados em sistemas de benefícios sociais do governo federal precisarão inserir mais documentos de identificação no sistema de inscrição do Enem.

    De acordo com dados divulgados na tarde de quinta-feira, 77% dos inscritos no Enem 2016 não precisaram pagar a taxa de R$ 68 para fazer o exame. Dos 8,6 milhões de inscritos, só 2 milhões ficaram sem a isenção. 



  • Fechamento de escolas na zona rural provoca manifesto de moradores em Barra da Estiva

    Foto: Informe Barra

    "Defender as escolas do campo é uma obrigação, fechá-las é um CRIME quando há opção" relatam moradores.

    Moradores das comunidades de Mateiros, Babilônia e Samambaia têm se manifestado contra o fechamento das unidades escolares Arnóbia Pires Fernandes e Rochael Alves da Silva, pois, segundo eles,  não foram comunicados como reza o parágrafo único do art. 28 da Lei de Diretrizes e Bases que diz:
    "Parágrafo único. O fechamento de escolas do campo, indígenas e quilombolas será precedido de manifestação do órgão normativo do respectivo sistema de ensino, que considerará a justificativa apresentada pela Secretaria de Educação, a análise do diagnóstico do impacto da ação e a manifestação da comunidade escolar. (Incluído pela Lei nº 12.960, de 2014)" - Uma vez que as comunidades não foram ouvidas, nem foi realizado estudo ou análise do impacto que poderá ocorrer nas comunidades com o fechamento das unidades escolares.

    Para as famílias da zona rural, o fechamento de uma escola em sua comunidade é uma perca irreparável. O que as comunidades questionam é que não têm conhecimento de nenhum parecer da Secretaria Municipal de Educação, justificando o fechamento das referidas escolas sem saber quais os critérios adotados, pois escolas com maior número de alunos foram fechadas e outras com menor numero vão continuar funcionando por serem multisseriadas.
    Outra questão que preocupa os pais é: como colocar crianças de 4, 5, 6 anos em viagens diárias de ida e volta? A situação têm causado grande polêmica nas comunidades atingidas.

    CONTINUE LENDO






  • Termina hoje a consulta pública sobre as mudanças no Enem

    Termina às 23h59 desta sexta-feira (17) o prazo para responder as perguntas da consulta pública sobre as mudanças no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Com a consulta, no ar desde o dia 18 de janeiro, o Ministério da Educação (MEC) quer referendar a possibilidade de aplicar o exame em apenas um dia, no domingo, e não mais em dois.

    Caso isso ocorra, o governo vai atender a uma antiga reclamação dos sabatistas, candidatos que por questão religiosa só podem estudar ou trabalhar no sábado após o sol se pôr. Todos os anos eles entram para as provas às 13h (pelo horário de Brasília) junto com os demais candidatos, e ficam isolados em uma sala para começar o exame somente às 19h. No Acre, por conta do fuso horário, o tempo de espera chega a 9h.

     

    Segundo o Inep, responsável pela aplicação do exame, cada candidato sabatista custa para o governo R$ 16,39 a mais do que os demais participantes, por conta das despesas extras de ter de aplicar o exame no período noturno. Como o custo médio de cada participante é R$ 68,71, o sabatista gera uma despesa de R$ 85,10 para o MEC.

    Se a regra estivesse vigorando no ano passado, o governo teria economizado cerca de R$ 646 mil com os 76 mil sabatistas que fizeram as provas. No total, o exame de 2016 foi o mais caro da história com custo de R$ 788 milhões e arrecadação de R$ 136 milhões com inscrições.

    Além da pergunta sobre se a aplicação do Enem deve manter o formato atual, em dois dias, ou ser realizada em apenas um, com uma prova de até 100 questões e redação, e 5 horas e 30 minutos de duração, a consulta possui mais outras três questões. A segunda questão complementa a anterior.

     

    Caso o exame continue sendo aplicado em dois dias, ela pergunta aos cidadãos que dias deveriam ser adotados: domingo e segunda-feira (que se tornaria um feriado escolar), dois domingos seguidos ou a manutenção do formato atual, com provas no sábado e domingo. Em todos os casos será mantida a redação, segundo o governo.

    Na última atualização, até as 8h desta quinta-feira (16), segundo o Inep a consulta havia recebido 570 mil respostas. As perguntas podem ser respondidas pelo portal www.inep.gov.br.

    O governo anunciou que o edital do Enem 2017 com as possíveis mudanças será divulgado no mês de março. (Globo.com)

    CONTINUE LENDO