BUSCA PELA CATEGORIA "ESPORTES"

  • Brasil é medalha de prata na canoa dupla de 1000m com Isaquias e Erlon

    Foto: Reuters/Marcos Brindicci/Direitos Reservados

    A dupla de canoístas brasileiros formada pelos baianos Isaquias Queiroz e Erlon Silva levou a medalha de prata na final da prova canoa dupla 1.000m, na canoagem velocidade. Os brasileiros lideraram toda a prova, mas foram ultrapassados pela dupla alemã formada por Sebastian Brendel e Jan Vandrey na reta final. A competição foi na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro. Os alemães levaram o ouro, com o tempo de 3:43.912. Os brasileiros concluíram a prova em 3:44.819. O terceiro lugar ficou com a equipe da Ucrânia, que completou a competição em 3:45.949.Com o resultado de hoje, Isaquias Queiroz tornou-se o primeiro brasileiro a ganhar três medalhas na mesma edição dos Jogos Olímpicos. Na quinta-feira (18), o atleta de 22 anos conquistou a medalha de bronze na prova dos 200m da canoagem velocidade e, no início da semana, levou a prata na prova dos 1.000m da canoagem velocidade individual.

  • Futebol masculino: busca do ouro do Brasil já parou três vezes na final

    Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

    O jogo contra Alemanha neste sábado (20) é a quarta vez que o futebol masculino brasileiro chega à final do torneio olímpico. Nas outras três vezes, a seleção bateu na trave e ficou com a prata em Los Angeles 1984 (contra a França), Seul 1988 (diante da União Soviética) e em Londres 2012 (contra o México). Em comum, nas três derrotas os brasileiros levaram dois gols. Por outro lado, a seleção, apenas em 1984, não marcou um gol. Nas finais seguintes, na Coreia do Sul, Romário descontou, e na Inglaterra, o gol foi de Hulk. Ao todo, o futebol olímpico brasileiro participou 11 vezes do torneio. Nas quatro primeiras vezes, em 1952 (em Helsinque, Finlândia), em 1964 (em Tóquio, Japão), em 1968 (na Cidade do México) e em 1972 (em Munique, Alemanha), a seleção não passou da primeira fase. Entre 1936 e 1980, a Federação Internacional de Futebol (Fifa) só autorizava que o torneio masculino fosse disputado por jogadores amadores, levando a uma supremacia dos países socialistas no pódio olímpico. Nos Jogos de Los Angeles 1984, a Fifa passou a permitir que atletas que não tivessem jogados Copas do Mundo participassem das Olimpíadas. Somente a partir dos Jogos de Barcelona 1992, que teve início as regras atuais, que limitou a competição para jogadores de até 23 anos, abrindo uma execeção para apenas três atletas mais experientes. 

  • Canadá derrota o Brasil e fica com o bronze do futebol feminino

    Foto: Reprodução/Agência Brasil

    O Canadá conquistou na tarde de hoje (19) a medalha de bronze do futebol feminino das Olimpíadas Rio 2016, derrotando a seleção brasileira. Com isso, o Brasil termina o torneio em quarto lugar. As canadenses marcaram o primeiro gol ainda na metade do primeiro tempo. A zagueira Lawrence ultrapassou a defesa brasileira para levar a bola para dentro da área, dando o passe que foi finalizado por Rose. A atacante canadense também foi fundamental na jogada em que a equipe marcou o segundo gol, deixando a defesa brasileira para trás novamente e abrindo espaço para Sinclair marcar, no início do segundo tempo. O primeiro gol brasileiro só saiu aos 34 minutos do segundo tempo, quando Beatriz dominou uma bola de lateral e finalizou com um chute certeiro. A mudança no placar animou a torcida, que vibrou com uma energia extra e trouxe a seleção para um jogo mais agressivo. O esforço, no entanto, não foi suficiente para que as brasileiras virassem o jogo. Apesar da derrota, ao final da partida, o público aplaudiu o esforço da seleção.

  • Equipe de Brumado estréia no Intermunicipal contra o time de Caetité

    No próximo domingo, dia 21, a seleção de Brumado fará sua partida de estréia no Campeonato Intermunicipal de Futebol 2016, contra a equipe de Caetité. A partida será na casa do adversário e terá início ás 15h. A Federação Baiana de Futebol (FBF) divulgou na última quinta-feira (18) o quadro de arbitragem que irão atuar na partida, que é composto pelo árbitro Antônio Soares de Santana Júnior, de Paratinga, Leandro de Souza Cruz, de Guanambi como assistente 1, Uilson Costa Figueiredo, de Macaúbas como assistente 2 e Rogerfeson Ramos Souza, de Caetité, como 4º árbitro.

  • Alison e Bruno Schmidt vencem italianos e conquistam quinto ouro para o Brasil

    Foto: Reuters/Adrees Latif/Direitos Reservados

    Em um jogo impecável, a dupla de vôlei de praia Alison e Bruno Schmidt conquistou hoje (19) a quinta medalha de ouro para o Brasil na Rio 2016. Sem dar chances para os italianos Nicolai e Lupo, os brasileiros venceram por 2 sets a 0 em 45 minutos de jogo. Sob chuva, os italianos começaram um pouco melhor a partida, chegando a abrir quatro pontos de vantagem. Com bloqueios espetaculares de Alison e defesas incríveis de Bruno, os brasileiros viraram o jogo e fecharam o primeiro set por 21 a 19. Mais equilibrado, o segundo set começou a ser decido depois do 14º ponto, quando os brasileiros empataram, passaram a frente e fecharam o jogo por 21 a 17. Com a medalha do vôlei de praia, o Brasil sobe quatro posições no quadro geral de medalhas, ficando na 13ª colocação, com cinco ouros, cinco pratas e cinco bronzes, em um total de quinze medalhas. 

  • Martine Grael e Kahena Kunze vencem na vela e conquistam quarto ouro do Brasil

    Foto: Reuters/Benoit Tessier/Direitos Reservados

    As brasileiras Martine Grael e Kahena Kunze conquistaram o ouro na classe 49er FX da vela. Após dez regatas, elas chegaram à regata da medalha em segundo lugar na classificação geral, mas conseguiram garantir o lugar mais alto do pódio quando terminaram em primeiro a última regata de hoje (18). A dupla teve uma boa largada. Antes da primeira boia, chegaram a liderar, mas perderam a ponta da regata para as duplas italiana e neozelandesa e fizeram a primeira virada em terceiro. Pelo desempenho na primeira fase, as italianas não tinham chance de medalha e o Brasil já tinha a prata, quando chegou em terceiro na segunda boia. A partir daí, Marite e Kahena aumentaram a pressão sobre as neozelandesas e reduziram a desvantagem de 12 para 6 segundos até a quarta boia. A dupla apostou em um lado diferente do das neozelandesas após a quarta boia, ganhando velocidade na parte esquerda da raia, o que permitiu que chegassem na quinta e última boia. A reta final foi dominada pelas brasileiras, que conseguiram chegar ao lugar mais alto do pódio, levando ao delírio a torcida que acompanhava a regata na Praia do Flamengo. As neozelandesas chegaram dois segundos depois.

  • Baiano conquista segunda medalha nas olimpíadas Rio 2016

    Foto: Reprodução/Reuters

    O baiano Isaquias Queiroz conquistou hoje (18) a medalha de bronze na prova dos 200m da canoagem de velocidade. Com a marca de 39seg628, o canoísta superou por muito pouco o espanhol Alfonso Benavides Lopez de Ayala, que registrou tempo de 39seg649 e ficou com a quarta colocação. Após uma boa largada, o ucraniano Iurii Cheban levou a medalha de ouro, com 39seg279, seguido pelo atleta do Azerbaijão Valentin Demyanenko, que ficou com a prata com a marca de 39seg493. Isaquias Queiroz, 22 anos, conquistou, no início da semana, a medalha de prata na prova dos 1.000m da canoagem de velocidade. O brasileiro ainda compete amanhã (19), junto com Erlon de Souza, na prova de 1.000m canoa dupla.

  • Brasil goleia Honduras e garante vaga na final do futebol masculino

    Foto: Reuters/Leonhard Foeger/Direitos Reservados

    Com placar final de 6 a 0, a seleção brasileira masculina de futebol venceu hoje (17) o time de Honduras e vai disputar a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos Rio 2016. A partida levantou o Maracanã, com direito a gol relâmpago de Neymar, dois gols de Gabriel Jesus e um pênalti já nos acréscimos do segundo tempo. Marquinhos e Luan também pontuaram um gol cada. A disputa pela medalha de ouro será no próximo sábado (20), às 17h30, também no Maracanã. O adversário da seleção brasileira será definido ainda hoje, na partida entre Alemanha e Nigéria.

  • Robson Conceição vence francês e ganha o primeiro ouro para o boxe do Brasil

    Foto: Reuters/Peter Cziborra/Direitos Reservados

    O brasileiro Robson Conceição fez história e conquistou hoje (16) a primeira medalha de ouro do boxe brasileiro em olimpíadas e o terceiro ouro do Brasil na Rio 2016. Por decisão unânime dos juízes, o lutador baiano derrotou o francês Sofiane Oumiha na categoria peso ligeiro, até 60 quilos. Com o ouro de Robson, o Brasil subiu para a décima quinta colocação no quadro geral de medalhas. Relaxado na luta, Conceição não deu chances para o francês e levou a torcida presente no Pavilhão 6 do Riocentro ao delírio. Antes mesmo do fim da luta, os torcedores já gritavam “é campeão”. No primeiro round, os três juízes deram a vitória ao brasileiro. No segundo, dois dos três árbitros deram 10 a 9 para Conceição, mesmo resultado do terceiro e último round. Em uma chave considerada difícil, o brasileiro enfrentou o uzbeque Hurshid Tojibaev em sua primeira luta e venceu por decisão unânime. Mesmo placar da luta contra o cubano Jorge Alvares, que já garantia o bronze ao baiano. Conceição queria mais e na sua terceira Olimpíada – ele foi décimo sétimo em Pequim e em Londres – superou a pobreza e as dificuldades vividas na infância para subir ao lugar mais alto do pódio na Rio 2016.

  • Brasil perde nos pênaltis para Suécia e fica fora da final do futebol feminino

    Foto: Reprodução/Agência Brasil

    A seleção Brasileira perdeu, na disputa dos pênaltis, por 4 a 3, a partida contra a Suécia que valia uma vaga na final do futebol feminino. Agora, a seleção brasileira vai disputar a medalha de bronze. As seleções não marcaram gol no tempo regulamentar nem na prorrogação, e o jogo teve de ser decidido nos pênaltis. No último jogo, as duas equipes precisaram passar pelos pênaltis para se classificar. O Brasil passou pela Austrália, enquanto a Suécia eliminou as favoritas e maiores campeãs do torneio, as norte-americanas.

  • Thiago Braz bate recorde olímpico e fatura ouro no salto com vara

    Foto: Junior Lago / Estadão Conteúdo

    O atletismo enfim voltou a conquistar uma medalha para o Brasil. E não foi qualquer medalha. Na noite desta segunda-feira (15), Thiago Braz surpreendeu os favoritos e conquistou o ouro na disputa do salto com vara, no Engenhão. O brasileiro saltou 6,03 metros e, além de obter a melhor marca de sua carreira, cravou o novo recorde olímpico, transformando o estádio no palco da primeira grande conquista do atletismo nos últimos oito anos. A última medalha do Brasil no atletismo havia sido o ouro de Maurren Maggi, no salto em distância nos Jogos de Pequim-2008. "É campeão", gritavam os torcedores no Engenhão. Emocionado, o brasileiro desfilou com a bandeira brasileira.

    O brasileiro travou uma disputa eletrizante com o francês Renaud Lavillenie, campeão olímpico e recordista mundial. Em sua última tentativa, Braz superou a marca de 6,03m e deixou o rival pressionado. Sob forte pressão da torcida, o francês não conseguiu superar a marca do brasileiro. Pertencia a ele o recorde olímpico, de 5,97 metros, registrado em Londres, onde faturou o ouro há quatro anos. Os torcedores novamente se comportaram como se estivessem diante de um jogo de futebol. O francês era o rival e, mesmo contrariando a ética desportiva, foi vaiado. Em sua última tentativa, o francês, pouco antes de saltar, fez o sinal de negativo, reprovando a atitude. "Vamos respeitar a concentração dos atletas independente de sua nacionalidade", pediu o locutor. No final da prova, a exemplo do brasileiro, o francês Lavillenie (5,95m) e o norte-americano Sam Kendriks (5,85m) também desfilaram com as bandeiras de seus países. Decepcionados, os franceses não acreditavam, pois esperavam o bicampeonato olímpico. O brasileiro teve uma grande noite. No primeiro salto, ele conseguiu superar 5,65m com facilidade, logo na primeira tentativa. Nessa altura, muitos atletas já ficam pelo caminho. Caso do argentino German Chiaraviglio, do grego Konstadinos Filippidis e do checo Michal Balner, campeão mundial em 2015. No final, a vitória com a marca inédita de 6,03m sobre o campeão olímpico. Até então, Braz tinha como melhor marca da vida o 5,92 metros, que era o recorde sul-americano, obtido no ano passado. Porém, também registrara 5,93m em competição indoor, neste ano. A conquista do saltador marca a nona medalha do Brasil nos Jogos do Rio-2016, sem contar a do boxeador Robson Conceição, que já tem garantida a prata - pode conquistar o ouro nesta terça-feira. Também não leva em conta o pódio assegurado no vôlei de praia feminino, uma vez que as duas duplas estão na semifinal, o que garante ao menos o bronze.

    CONTINUE LENDO
  • Após triunfo na Arena, Neymar minimiza críticas: 'Não ligo para nenhuma delas'

    Foto: Glauber Guerra / Bahia Notícias

    Com dois resultados de empates sem gols no torneio de futebol da Olimpíada, o atacante Neymar, principal referência da seleção brasileira, vinha sofrendo com as críticas do público e da imprensa. Após a goleada sobre a Dinamarca na noite desta quarta-feira (10), o atacante se manifestou e disse não se importar com as opiniões negativas. "Estou acostumado com as críticas. Isso acontece na minha vida faz um bom tempo, mas não ligo para nenhuma delas. Ligo para o que a equipe está precisando. Acho que as coisas de fora a gente não pode se contaminar, pois algumas delas são maldosas. A gente agradece para a nossa família. São por eles que a gente dá a vida", afirmou o atleta. O craque do Barcelona se disse satisfeito com o desempenho da equipe comandada por Rogério Micale. Sem marcar gols, ele preferiu valorizar a equipe. "Fizemos o que era para ter feito. Estamos muito contentes e muito felizes. Não me importo em fazer gol. Me importo que minha equipe vença e que meus companheiros fiquem felizes", acrescentou. Nas quartas de final, o Brasil enfrenta a Colômbia no próximo sábado (13), às 22h, na Arena Corinthians, em São Paulo.(Bahia Noticias)

  • Brasil atropela a China e começa com o pé direito a busca pelo ouro no futebol feminino

    O Brasil começou com o pé direito a busca pela inédita medalha de ouro no torneio de futebol feminino dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Nesta quarta-feira, no Engenhão, a equipe comandada por Vadão venceu por 3 a 0 a China em partida válida pelo Grupo E. Os gols do jogo foram marcados por Mônica, Andressa Alves e Cristiane. Marta, que deu assistência para o segundo gol brasileiro, foi substituída e deixou o gramado ovacionada pelo público.

    PRIMEIRO TEMPO

    O Brasil precisou de paciência para furar o bloqueio da China no primeiro tempo. Em boa parte do jogo, a equipe asiática colocava 11 jogadoras atrás da linha da bola. O time de Vadão tentou as investidas pelo meio, mas não dava resultado. Na sequência, quando começou a abrir as jogadas pelos lados do campo, a situação melhorou. A pressão aumentou e o gol ficou mais perto. Ele saiu aos 34 minutos, quando Marta levantou na área, a goleira saiu mal, a zaga errou e a bola sobrou para Mônica, que meteu a cabeça na bola e abriu o placar. Para se ter uma ideia da pressão, a seleção brasileira teve 65% de posse de bola, nove escanteios e 12 finalizações.

    SEGUNDO TEMPO

    Com o placar favorável, e um peso a menos nas costas, a seleção brasileira se soltou mais no segundo tempo. Ganhou espaço no campo, deixou as chinesas se enrolarem com seus próprios erros, fez mais dois gols e poderia ter deixado o Engenhão com um placar ainda mais elástico. Destaque para a entrada de Andressinha, que no primeiro toque na bola encontrou Marta livre pela direita. A camisa 10 dominou com habilidade e rolou para Andressa Alves ampliar. Também saiu dos pés de Andressinha a cobrança de falta que foi desviada por Cristiane para fechar o placar.

    PÚBLICO

    O Engenhão não ficou lotado nesta quarta-feira, no primeiro evento oficial olímpico no Rio de Janeiro. Vale lembrar que a abertura oficial dos Jogos acontece nesta sexta-feira. Ao todo, 27,618 mil pessoas compareceram ao estádio e acompanharam a vitória da seleção brasileira sobre a China. (Fonte: G1)

    CONTINUE LENDO
  • Caneta, chapéu e futevôlei: o pacotão do Vitória na 5ª rodada do Brasileirão

    Foto: Reprodução / Globo.

    O Vitória não conseguiu superar o Flamengo e trazer para Salvador o primeiro triunfo fora de casa no Campeonato Brasileiro. Na noite da última quinta-feira, a equipe treinada por Vagner Mancini foi derrotada por 1 a 0, no estádio Raulino Oliveira, em Volta Redonda. Na bagagem, a dor de cabeça de permanecer com uma das defesas mais vazadas da competição, com nove gols sofridos, além de um chapéu, uma caneta e a lembrança de ter adversários jogando futevôlei dentro da área até marcar o gol. Confira os lances no pacotão do Rubro-Negro baiano.

    O Vitória não fez uma boa apresentação diante do Flamengo nesta quinta. E quem tem motivos para esquecer pelo menos um lance do jogo é o atacante Kieza. No mano a mano com Marcelo Cirino, K-9 levou a pior e tomou uma linda caneta do jogador do Mengão.

    Outro que tem um lance para esquecer é o volante Flávio. Ele levou um lindo chapéu do argentino Mancuello na linha de fundo. Na sequência, o árbitro estava onde não devia e acabou atrapalhando o ataque do Mengão.

    O técnico Vagner Mancini não gostou nada do gol sofrido pela defesa do Vitória. A defesa rubro-negra se adiantou e deixou Willian Arão livre para tocar de cabeça para Felipe Vizeu, que concluiu para o gol também de cabeça. (Globo Esporte / Bahia)

    CONTINUE LENDO
  • Tocha inicia percurso na Bahia por Teixeira de Freitas

    Foto: Ivo Lima / ME

    Desta quinta-feira (19) até o dia 27 de maio, a Bahia receberá a Tocha Olímpica, símbolo da Olimpíada, que neste ano será realizada no Rio de Janeiro. Em Teixeira de Freitas, no extremo sul, o percurso do símbolo olímpico começa a partir das 9h. Depois de Teixeira, a tocha vai para Porto Seguro, com breve passagem em Arraial D’ Ajuda, ainda na noite desta quinta. Ainda no sul baiano, o símbolo passará por Itamaraju e Santa Cruz Cabrália. Conforme o Correio, outros seis municípios receberão a chama olímpica por uma noite: Vitória da Conquista, Ilhéus, Valença, Salvador, Senhor do Bonfim e Paulo Afonso. O percurso da tocha se encerra na Bahia na cidade de Paulo Afonso, no vale do São Francisco.