BUSCA PELA CATEGORIA "POLÍTICA"

  • Aécio e Marina aparecem juntos pela primeira vez após anúncio de apoio

    Aécio Neves e Marina Silva apareceram pela primeira juntos em São Paulo (Foto: Nelson Almeida/AFP)

    A candidata terceiro lugar no primeiro turno das eleições, Marina Silva (PSB), apareceu ao lado de Aécio Neves (PSDB) pela primeira vez após anunciar apoio à candidatura tucana. Os dois tiveram uma conversa em São Paulo e devem atender à imprensa para uma entrevista coletiva. Marina foi à reunião sem o tradicional coque no cabelo, que marcou o visual da candidata durante a campanha.

    "Estive gripada esses dias e vocês sabem que uma pessoa gripada não pode prender o cabelo molhado, e por isso fiz assim", disse Marina. "Está muito bonita", sentenciou Aécio.

    Conforme informou nesta quinta (16) o porta-voz da Rede Sustentabilidade, grupo político de Marina Silva, Walter Feldman, o encontro desta sexta servirá para que a ex-senadora e Aécio possam tratar de vários assuntos que julgam necessários para o segundo turno.

    Estiveram no encontro desta sexta o candidato a vice-presidente na chapa de Aécio, Aloysio Nunes, Beto Albuquerque, que disputou o primeiro turno como vice na chapa de Marina, e Walter Feldman, porta-voz da Rede Sustentabilidade, grupo político da ex-senadora.

    A expectativa do encontro desta sexta é que sejam gravadas imagens para a propaganda eleitoral, discutir ações que serão adotadas na reta final da campanha e decidir sobre se a ex-ministra subirá em palanques ao lado do tucano nos últimos dias da corrida eleitoral.

    Apoio de Marina
    Após se reunir com Marina Silva, Aécio concedeu entrevista a jornalistas e agradeceu o apoio do PSB, da Rede Sustentabilidade e de outras forças políticas e sociais. Ao falar sobre o significado da presença da ex-senadora em sua campanha, o tucano voltou a afirmar que há um movimento em  favor de um país democrático, socialmente justo e preocupado com a sustentabilidade.
     

    O candidato do PSDB disse também que sua aliança com Marina é baseada em três aspectos centrais, que são “o respeito à democracia, consolidação e institucionalização das políticas sociais e desenvolvimento sustentável”.

    "Este é um momento histórico da vida nacional. Estamos construindo uma aliança em favor do Brasil, da transformação real da vida daqueles que menos têm. Todo esse esforço foi coroado pelo gesto de generosidade de uma mulher que o Brasil respeita e admira. Marina não apoia um candidato, ela apoia um projeto de Brasil, dela e de todos os brasileiros. Agradeço esse gesto de patriotismo em me ajudar, não só a vencer as eleições, mas de me ajudar a construir um projeto que faça valer a pena vencer as eleições", disse o presidenciável.

    Questionado sobre se Marina vai subir em palanques ao seu lado na reta final da campanha presidencial, Aécio disse que o assunto não foi discutido no encontro desta sexta. Na avaliação do candidato, a forma como a ex-senadora participou nos últimos dias "é a mais correta".

    A jornalistas, Aécio afirmou que caberá a Marina Silva decidir sobre como será a participação dela na campanha tucana. Indagado sobre se Marina fará parte de seu eventual governo, caso seja eleito, o presidenciável afirmou não estar pensando no assunto.

    "Ela já dá uma contribuição muito expressiva. [...] A presença da Marina aqui traz um simbolismo muito muito grande. Eu vejo, através do abraço e do beijo carinhoso que recebi da Marina, o abraço e o beijo carinhoso de milhões de brasileiros que querem mudar esse país", disse.

    Debates
    Aécio comentou também sobre os recentes debates com Dilma Rousseff na televisão. O candidato disse que lamenta o tom que tem sido usado nos programas. Para ele, a eleição não pode ser "uma guerra", um "vale-tudo".

    "Lamento profundamente o tom nos debates. Eu propus um debate em torno de temas, de segurança pública, de educação, mas a estratégia dela e de seu marqueteiro não foi essa. O desespero dos nossos adversário está fazendo com que eles percam a sensatez. A política não é uma guerra, não pode ser esse vale-tudo no caminho de querer destruir reputações para ganhar eleição.", afirmou.

    "Convoco a candidata Dilma Rousseff para que possamos fazer, nos próximos debates, nos programas, uma campanha de alto nível. Ninguém destrói alguém e vence, como disse aqui a Marina. É preciso vencer as eleições vencendo. E é isso que eu pretendo fazer", concluiu.

    Aécio e Lula
    Após o encontro com Aécio nesta sexta, Marina fez pronunciamento à imprensa no qual comparou Aécio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em razão de em 2002 o então candidato à Presidência pelo PT ter defendido alterância de poder, assim como faz o tucano nas eleições deste ano.

    "Há 12 anos, o candidato Lula disse que queria alternância de poder, que queria mudança e daria garantia da manutenção do real e, 12 anos depois, você [Aécio] faz o mesmo gesto, diz que vai recuperar o que se perdeu com esse governo, que é a estabilidade econômica, que vai institucionalizar em lei as políticas como o Bolsa Família. Isso é um passo significativo", disse.

    CONTINUE LENDO


  • Candidatos centram fogo na Bahia e em mais quatro estados atrás dos votos de Marina

    Batalha pelas eleições busca a conquista de 13 milhões de votos. Apesar de o alvo ser comum, as estratégias variam

    Na reta final da campanha, os comandos da campanha de Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) concentram esforços em cinco estados - Bahia, Minas Gerais, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo - onde Marina Silva teve praticamente 61% de seus votos.

    Dos 22 milhões 176 mil votos obtidos pela candidata do PSB no primeiro turno, 13 milhões 506 mil vieram dessas cinco unidades da federação - 60,91% do eleitorado marineiro, objeto de cobiça de Dilma e Aécio no segundo turno.

    Apesar de o alvo - eleitores de Marina - ser comum, as estratégias variam pois, nesse grupo prioritário, há dois estados em que houve vitórias folgadas - Dilma na Bahia e Aécio em São Paulo; dois onde houve equilíbrio, Minas e Rio, onde Dilma liderou por diferença de menos de 10 pontos percentuais; e o caso de Pernambuco, onde Marina foi a primeira colocada.

    “O voto em Marina foi um voto pela mudança. Da mesma forma que a candidata, seus eleitores vão entender assim”, disse o senador José Agripino Maia (DEM-RN), coordenador da campanha de Aécio, a jornalistas após o anúncio do apoio de Marina ao tucano.

    Na campanha de Dilma, a estratégia é atrair os votos dos marineiros que rejeitam o que chamam de “velha política” e que estaria, na visão petista, mais associada ao PSDB.

    Bahia e São Paulo

    Na batalha pelos marineiros, a estratégia é semelhante na Bahia e em São Paulo - apenas com sinais trocados porque, nos dois estados, os favoritos vão reforçar seus discursos para atrair os eleitores de Marina. Em São Paulo, Aécio teve mais de 4 milhões de votos de vantagem sobre Dilma e pretende aumentar a vantagem com o eleitorado de Marina.
     

    “Há um sentimento antipetista que, naturalmente, favorecerá Aécio”, comentou o ex-governador Alberto Goldman, um dos coordenadores da campanha tucana em São Paulo. O PT aposta no carisma do presidente Lula para tentar atrair os marineiros.

    Na Bahia, Dilma teve 3 milhões de votos a mais do que o candidato do PSDB.

    A campanha petista pretende ampliar essa vantagem enquanto Aécio prepara uma ofensiva em todo o Nordeste que inclui desde locutores e apresentadores da região nos programas no rádio e na TV a propostas específicas, a participação de aliados nos estados.

    Pernambuco

    Nessa estratégia, foi comemorado pelos tucanos o apoio da família do ex-governador Eduardo Campos. Pernambuco foi um dos dois estados - o outro foi o Acre - em que Marina foi a mais votada: teve 2,3 milhões de votos, apenas 175 mil a mais que Dilma.

    E foi onde Aécio teve a menor votação proporcional: 5,9% dos votos, apenas 287 mil. “Tenho certeza de que a maioria que votou em mim e Marina estará agora com Aécio”, afirmou o governador eleito Paulo Câmara (PSB), após o ato que marcou a adesão da família ao tucano.

    O PT, que venceu com folga no resto do Nordeste, pretende retomar a campanha focando nas políticas sociais do governo.

    Ontem, o ministro Gilberto Carvalho esteve em Recife e reiterou a importância de uma vitória no Nordeste e “em particular, em Pernambuco” e informou que no próximo dia 21 o ex-presidente Lula e a presidente Dilma estarão em Pernambuco - no sertão e na capital, Recife.

    Rio e Minas

    Se para o PT ganhar em Pernambuco, terra de Lula, é questão de honra, o mesmo vale para o PSDB em Minas, onde Aécio, duas vezes governador, ficou 400 mil votos atrás de Dilma.

    “Temos que reverter o resultado, até porque agora temos mais lideranças no apoio a Aécio e vamos puxar para a questão da mineiridade”, afirmou Júlio Delgado (PSB-MG), apostando que a maioria dos votos de Marina em Minas (1,5 milhão) virá agora para o tucano.

    Os petistas apostam no governador eleito Fernando Pimentel para ampliar essa vantagem e atrair os marineiros. “Estamos mantendo a mobilização para a campanha de Dilma”, garantiu Pimentel ao receber a visita da presidente em Contagem, no sábado.

    Dos cinco estados priorizados pelas campanhas, o Rio de Janeiro é o único em que há disputa do segundo turno também para governador. A campanha de Dilma está de olho em dois tipos de eleitores de Marina: os mais pobres e o eleitorado de esquerda.

    “Acho que o voto da Marina nas classes D e E não vai para o Aécio. Vamos reforçar a manutenção dos programas sociais”, disse o prefeito de Caxias, Alexandre Cardoso. Os petistas comemoraram o apoio dos deputados do Psol Jean Wyllys e Marcelo Freixo a Dilma.

    “Fica mais claro que há dois campos”, afirmou o petista Adilson Pires, coordenador no estado. 

    A estratégia dos tucanos é reforçar o voto Aezão (Aécio presidente, Pezão governador). “Vamos aproveitar 65% do eleitorado do Rio que se mostrou como oposição ao governo do PT”, afirmou o deputado eleito Jorge Picciani, do PMDB, coordenador do movimento Aezão, de olho nos 2,6 milhões de votos marineiros no Rio, onde Marina ficou em segundo lugar.

    Oposição e governo traçam estratégia para disputa na Bahia | Alexandre Galvão

    Com quase 1,3 milhão de votos, Marina Silva (PSB) ficou em segundo lugar na preferência do eleitorado baiano no primeiro turno. E oposição e governo já traçaram suas estratégias para ganhar a atenção dos “marineiros” e engordar o seu eleitorado.

    Os aliados de Dilma, que teve mais de 60% no primeiro turno na Bahia, querem ampliar a vantagem; o grupo de Aécio, que ficou com menos de 18%, precisa avançar sobre o eleitorado de Marina para reduzir a vantagem. O presidente do Democratas no estado, José Carlos Aleluia, acredita que o voto em Marina – pelo menos aqui na Bahia – é um voto anti-PT.

    “Os votos para Marina Silva foram contra a Dilma Rousseff e vão para Aécio. Isso vai refletir muito aqui na Bahia”, afirma. Do lado governista, a expectativa é outra. Líder do governo na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Zé Neto afirma que todos vão “trabalhar para aumentar o eleitorado” de Dilma. “A ideia é não perder a pegada do primeiro turno”, disse.

    Para o petista, o apoio do PSB baiano garante, sim, votos para a candidata petista. “O voto de Marina é um voto muito de esquerda. Está associado ao voto em Lídice (PSB). É um voto progressista”, afirmou. Ao contrário dos políticos, o historiador Ricardo Viana, professor em Ciência Política da Faculdade Ruy Barbosa, diz que o panorama está indefinido.

    “É difícil definir quem vai ganhar esses votos da Marina Silva, mas é importante ver que essas eleições estão fazendo o Brasil olhar mais para si. As mazelas sociais do país estão mais à mostra”, analisa. De acordo com o estudioso, existem dois votos relacionados à candidatura de Marina: o voto ideológico, ligado a questões ambientais, e o voto contrário ao PT.

    “Esse voto baseado na ideologia, claro, é mais fácil de ir para a Dilma até por uma questão de aproximação de pensamento. Mas alguns também seguirão Marina e vão para Aécio”, diz. Muitas vezes desprezados nas contas, os votos nos “nanicos” também podem ser decisivos. Na Bahia, eles representam quase 2% dos votos válidos no 1º turno.

    CONTINUE LENDO


  • Marina Silva declara apoio a Aécio Neves no segundo turno

    Foto: Fabiano Neves / Destaquebahia.com.br

    Após uma semana de negociações com o PSDB, a candidata derrotada à Presidência pelo PSB, Marina Silva, anunciou ontem(12), que apoiará o candidato tucano Aécio Neves no segundo turno. A decisão foi divulgada, em São Paulo, um dia depois de o presidenciável do PSDB assumir, por meio de uma carta aberta, uma série de compromissos para a área social, entre os quais parte das condições impostas pela ex-senadora para apoiá-lo na reta final da corrida pelo Palácio do Planalto.

    "Tendo em vista os compromissos assumidos por Aécio Neves, declaro meu voto e o meu apoio a sua candidatura. Votarei em Aécio e o apoiarei. Votando nesses compromissos, dando um crédito de confiança à sinceridade de propósitos do candidato e de seu partido e, principalmente, entregando à sociedade brasileira a tarefa de exigir que sejam cumpridos", disse Marina, ao final de um pronunciamento de cerca de meia hora, ao lado de seu candidato a vice na eleição presidencial, deputado Beto Albuquerque (PSB-RS).

    "Não estou com isso fazendo nenhum acordo ou aliança para governar. O que me move é a minha consciência, e assumo a responsabilidade pelas minhas escolhas", complementou.

    Entre as promessas assumidas pelo tucano no sábado, em resposta às condições apresentadas pela ex-senadora, está, caso seja eleito, adotar uma política ambiental sustentável, priorizar o ensino integral no país e a criar um fundo para tentar solucionar os conflitos entre índios e produtores rurais, além do compromisso de que irá trabalhar para que o Congresso Nacional aprove o fim da reeleição para cargos executivos. (Fonte: G1)



  • Zé Ribeiro agradece aos eleitores pelos votos recebidos

    Gostaria de agradecer imensamente a todos aqueles que confiaram a mim o seu valioso voto, agradeço também a todos que votaram e elegeu RUI COSTA Governador, OTTO ALENCAR Senador, WALDENOR PEREIRA Deputado Federal e aos que votaram em DILMA Presidenta, podem ter certeza que a nossa conquista foi vitoriosa e ainda será maior com a vitória de DILMA no segundo turno. Saímos fortalecidos e unidos em nosso ideal de fazer a Bahia Avançar cada vez mais. Temos a certeza que os brumadenses e os baianos souberam reconhecer quem verdadeiramente são seus representantes. Obrigado mais uma vez pela confiança e pelo carinho recebido durante nossa caminhada.
     
    Zé Ribeiro Neves



  • Brumado: Zé Ribeiro fará o encerramento de sua campanha na casa do casal Pereira

    Foto: Fabiano Neves / Destaquebahia.com.br

    Com a presença do candidato a deputado federal, Waldenor Pereira, e demais lideranças políticas e comunitárias, o candidato a deputado estadual Zé Ribeiro pretende encerrar hoje, a partir das 19 horas, os seus compromissos de campanha. O encerramento acontecerá na casa de Marizete Pereira, em uma reunião que contará com a presença de militantes e simpatizantes do candidato.
    Marizete Pereira e o esposo Edmundo Pereira, foram os braços fortes da campanha de Zé Ribeiro, talvez por isso, o encerramento se dará também na casa do casal.
     



  • Candidatos ao governo confrontam propostas em debate

    Foto reprodução

    Participaram DEM, PRTB, PSB, PSOL e PT. Encontro foi realizado na noite desta terça-feira (30), em Salvador.

    Cinco dos seis candidatos ao governo da Bahia participaram, na noite desta terça-feira (30), do debate realizado pela TV Bahia, emissora afiliada da Rede Globo. Dividido em quatro blocos, o encontro foi mediado pelo jornalista William Waack. Esse foi o quarto e último debate transmitido por uma emissora de televisão antes da votação do próximo domingo (5). 

    Participaram do debate os candidatos com representação na Câmara dos Deputados: Lídice da Mata (PSB), Marcos Mendes (PSOL), Paulo Souto (DEM), Rogério Tadeu da Luz (PRTB) e Rui Costa (PT). Há ainda a candidata Renata Mallet (PSTU).

    No primeiro e terceiro bloco, os candidatos fizeram perguntas entre eles com tema livre. No segundo e quarto blocos, os postulantes voltaram a fazer questões entre eles, desta vez com temas predeterminados. Foram discutidas em todas as etapas temas como educação, saúde, segurança, infraestrutura, programas sociais, privatizações, serviços públicos, agronegócio e denúncias de corrupção.  



  • O candidato a deputado Zé Ribeiro apresenta suas propostas  aos vizinhos

    Fotos: Fabiano Neves / Destaquebahia.com.br

    Pode se dizer que o candidato a deputado estadual, Zé Ribeiro, apresentou as suas propostas aos vizinhos; primeiro por que a reunião foi no bairro onde reside (São Félix), e segundo, por que o local foi exatamente na rua onde mora.

            

    A reunião que aconteceu na noite desta segunda - feira (29), contou com a presença de centenas de pessoas, grande parte residentes no Bairro São Félix e adjacência. Na companhia do vereador José Carlos de Jonas, Catoze, Dr. Dante, do empresário Alípio e dos braços fortes da sua campanha – Marizete e Edmundo, Zé Ribeiro falou da sua trajetória política, bem como das suas propostas caso eleito for. Ao término, muitos quiseram abraçar e desejar boa sorte ao candidato, o qual retribui de igual modo.

             

    Algumas lideranças comunitárias também estiveram na reunião confirmando o apoio a Zé Ribeiro, o empresário Alípio e a sua esposa também prestigiaram a reunião promovida pelo vereador.
     

    CONTINUE LENDO


  • BRUMADO: Zé Ribeiro expõe suas propostas para a comunidade de Boi Morto e Ubiraçaba

    Foto divulgação

    Em companhia do Ex - vice-governador da Bahia, Edmundo Pereira, e da Ex deputada Marizete, o candidato a deputado estadual, Zé Ribeiro, esteve visitando as comunidade de Boi Morto e Ubiraçaba no último dia 25.
    O candidato expôs a sua proposta de governo e buscou o apoio das referidas comunidades, onde, a receptividade foi  bastante calorosa, tendo em vista a presença de Marizete e Edmundo que conquistou diversos benefícios quando em atuação para as localidades supracitadas e adjacências.
    Em reta final de campanha, os candidatos buscam com toda intensidade os apoios possíveis, tendo em vista que não são poucos os números de votos necessários para que se possa eleger.

     



  • Luciano Ribeiro se reuniu com lideranças comunitárias e militantes na Vila P. Vargas

    Luciano Ribeiro se reune com lideranças comunitárias na Vila Presidente Vargas. Foto: Fabiano Neves / Destaquebahia.com.br

    O candidato a deputado estadual, Luciano Ribeiro, se reuniu na noite de ontem, terça-feira (23), com lideranças comunitárias na Vila Presidente Vargas.
    Diversas pessoas compareceram a uma área de eventos local para ouvir as propostas do candidato, o qual demonstrou ter uma grande aceitação na referida comunidade e adjacência.

            

    Presentes também na reunião, estiveram os vereadores Welinton Lopes e Santinho.
    O presidente da Associação de Moradores do Campo Seco, ao fazer uso da palavra, disse da satisfação de poder apoiar um político honesto e referência para a Bahia, já que quando foi prefeito, mudou a história da sua cidade Caculé.
    A presidente da Associação da Vila Presidente Vargas, bem como demais membros da diretoria, falaram aos presentes a importância de apoiar Luciano Ribeiro, ao tempo em que entregaram ao candidato uma lista de benefícios que a Vila precisa com urgência, pedindo que, sendo eleito, o mesmo venha a atender aos anseios daqueles moradores.
    O candidato ao discursar, falou da sua trajetória política e apresentou a sua proposta de governo “Se perguntar agora, aqui, se alguém se lembra em quem votou na última eleição, poucos irão recordar, mas quero trabalhar para que o meu nome jamais seja esquecido, na vida de todos aqueles em mim depositar o seu voto, isso só se consegue fazer através de obras que marcam a vida das pessoas...” disse Luciano Ribeiro.

         



  • Sete de cada dez eleitores não têm voto para deputado, diz Datafolha

    Pesquisa Datafolha divulgada nesta sexta-feira (19) mostra que 72% do eleitorado brasileiro ainda não decidiu em quem votar para deputado federal e 69% ainda não escolheram seu deputado estadual.

    Ainda de acordo com a pesquisa, apenas 20% entre os mais jovens já escolheram em quem votar para deputado federal. A média é maior entre os com renda mensal familiar de 5 a 10 salários mínimos (36%) e acima de 10 salários (36%). Para deputado estadual, a média dos que escolheram seu candidato é maior entre os mais escolarizados (41%) e os mais ricos (45%). (Fonte: G1)



  • Em carreata, ao lado de Rui Costa e Otto Alencar, Zé Ribeiro recebeu o carisma da população brumadense

    Foto: Fabiano Neves / Destaquebahia.com.br

    Já no seu terceiro mandato de vereador, agora, Zé Ribeiro enfrenta um novo desafio: Conquistar um assento na Assembleia Legislativa do Estado da Bahia.
    Com uma conduta invejável e uma atuação firme no legislativo brumadense, além de mostrar fidelidade aos seus apadrinhados ( Marizete e Edmundo Pereira) que o apoia desde dos primeiro passos na vida política, Zé Ribeiro tem ganhado forças nesta reta final de campanha. Na última carreata que aconteceu em Brumado com a presença do candidato ao governo do estado – Rui Costa – e ao senado – Otto Alencar, foi percebido pela imprensa que há uma aceitação muito grande por parte dos munícipes brumadenses em relação a sua candidatura e, segundo se ouve nos bastidores da política local, é possível que ele [Zé Ribeiro] esteja preparando o terreno para as eleições municipais de 2016. O certo é; faltam menos de quinze dias, para que a população mostre realmente quem são os seus preferidos para governar a Bahia e o Brasil.



  • Candidato Zé Ribeiro intensifica campanha e se reúne com Waldenor Pereira na residência do casal Pereira Santos

    Na reta final os candidatos intensificam as suas campanhas, e procuram mostrar os seus projetos de governo ao maior numero de pessoas possíveis, na esperança de conseguir uma vaga no legislativo estadual e federal.
    O candidato a deputado estadual Zé Ribeiro, esteve na noite desta segunda-feira (15), na casa do casal Pereira Santos (Edmundo e Marizete) onde se reuniu com diversas lideranças políticas e comunitárias além de militantes do partido.

          


    Esteve presente também o candidato a deputado federal Waldenor, o qual tem o apoio incondicional tanto de Zé Ribeiro quanto do casal Pereira na cidade de Brumado.
    Diversas pessoas estiveram presentes, e puderam analisar as propostas de ambos os candidatos.

    Na reta final os candidatos intensificam as suas campanhas, e procuram mostrar os seus projetos de governo ao maior numero de pessoas possíveis, na esperança de conseguir uma vaga no legislativo estadual ou federal.
    O candidato a deputado estadual Zé Ribeiro, esteve na noite desta segunda-feira (15), na casa do casal Pereira (Edmundo e Marinete) onde se reuniu com diversas lideranças política e comunitárias além de militantes do partido.

          


    Esteve presente também o candidato a deputado estadual Valdenor, o qual tem o apoio incondicional tanto de Zé Ribeiro quanto do casal Pereira na cidade de Brumado.
    Diversas pessoas estiveram presente, e puderam analisar as propostas de ambos os candidatos.

    CONTINUE LENDO


  • 'Não vou agredir uma mulher', diz Marina sobre Dilma

    Marina Silva faz 'coração' para eleitores em Ceilândia, no DF (Foto: Lucas Salomão/G1)

    'Fique tranquila, presidente', disse, em declaração dirigida a Dilma Rousseff.
    Candidata do PSB participou de comício em Ceilândia, no Distrito Federal.
     

    A candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, disse neste domingo (14) que não vai "agredir uma mulher" durante a campanha eleitoral. A declaração foi dada em um comício do partido em Ceilândia, região administrativa a 26 quilômetros de Brasília, no Distrito Federal. Marina esteve acompanhada do candidato a vice na chapa, Beto Albuquerque, e dos candidatos ao governo do DF, Rodrigo Rollemberg, e ao Senado, Antônio Reguffe.

    Durante discurso a militantes do PSB, Marina Silva se referiu às críticas que diz sofrer da presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT. Ao citar o nome de Dilma, Marina disse que ela pode ficar "tranquila" porque não irá "mentir a seu respeito".

    "Fique tranquila, presidente [Dilma]. A senhora não vai receber de mim o que a senhora está fazendo comigo. Eu não vou agredir uma mulher, não vou mentir a seu respeito. Eu vou lhe tratar com todo o respeito, mas isso não significa que vou deixar de dizer as verdades", afirmou a ex-senadora.

    Logo em seguida, Marina Silva voltou a criticar o fato de que foi a única entre os três principais candidatos a lançar um programa de governo. Segundo ela, Dilma e Aécio Neves querem ganhar as eleições "com um cheque em branco".

    "A verdade é que nós temos um plano de governo [...] Nós temos um programa e, infelizmente, nem ela nem o Aécio têm. Querem ganhar a Presidência com um cheque em branco. Não assinem cheque em branco", pediu Marina aos eleitores presentes no evento.

    Marina também disse que "eles [os adversários] sabem que estão mentindo" quando dizem que, caso ela seja eleita, acabará com programas sociais do governo federal, como o Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida. Segundo ela, por ser de origem pobre e entender a realidade da população, os programas serão "mantidos e ampliados".



  • Lídice aponta tentativa de

    Lídice da Mata disse que há uma tentativa corrente de "demonização" contra a presidenciável Marina Silva. Foto: Fabiano Neves / Destaquebahia.com.br

    A senadora Lídice da Mata, candidata do PSB ao governo estadual, disse que há uma tentativa corrente de "demonização" contra a presidenciável Marina Silva. "Tenta-se torná-la uma pessoa que não tem história". Sobre a inclusão do nome do anterior presidenciável do PSB, Eduardo Campos, na lista de beneficiários em esquema de corrupção da Petrobras, Lídice afirmou: "Após o desastre do avião, buscou-se matar Eduardo uma segunda vez", diz a candidata.

    Segundo avalia, isto ocorre diante da real possibilidade de vitória da ex-ministra do Meio Ambiente, que substitui o ex-governador de Pernambuco na corrida eleitoral. Ela disse que a primeira tentativa de macular a imagem de Campos foi quando se questionou se os recursos para a aquisição do avião com o qual ocorreu o acidente não seriam provenientes de caixa dois. Quanto à lista revelada por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras entre 2004 e 2012, Lídice disse que é também temerário divulgar informações vazadas e não confirmadas.

    A socialista afirmou isto na sabatina transmitida nesta segunda-feira, à noite, pela TV Aratu/SBT, no projeto Vota Bahia, que reúne ainda os grupos A TARDE e Metrópole, quando foi sabatinada pelos jornalistas Levi Vasconcelos, que foi também o mediador, Jeane Borges, Biaggio Talento e Patrícia França.

    Lídice da Mata disse que ainda pretende colar sua imagem mais fortemente à de Marina Silva, que aparece empatada tecnicamente com a presidente Dilma Roussef (PT), candidata à reeleição - segundo os principais  institutos de pesquisa, Marina venceria no segundo turno.

    Para Lídice, tenta-se minar a candidatura de Marina com questionamentos que não são realizados com os outros candidatos, como os referentes ao aborto, ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e à liberação da maconha. A socialista defendeu que o programa do partido referente aos temas não são exclusivamente reflexo das opiniões de Marina Silva, mas do conjunto do partido e dos partidos coligados.

    Quanto ao casamento gay, Lídice disse ser favorável àquilo que foi definido pelo Supremo Tribunal Federal, que reconheceu a legalidade da união civil. Ela disse ainda que, quanto ao aborto, as mulheres que realizam o ato não podem ser criminalizadas, mas receber a devida atenção da rede pública de saúde. "O aborto não é visto pelo movimento feminista como forma de planejamento familiar, é a ação de desespero de uma mulher", defendeu Lídice.



  • Marina Silva diz que perguntas sobre crença só são feitas porque ela é evangélica

    "Essa pergunta é feita a mim porque sou evangélica, nunca vi ninguém fazendo essa pergunta a um líder católico ou a uma pessoa que não tenha crença", afirmou Marina A candidata Marina Silva (PSB) reclamou nesta quinta-feira (4) que só é questionada por sua fé por ser evangélica. Dizendo-se alvo de "preconceito", Marina salientou que não vê perguntas sobre religião para os candidatos católico e os que não têm crença. A fala aconteceu durante sabatina do Grupo RBS, do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. "Essa pergunta é feita a mim porque sou evangélica, nunca vi ninguém fazendo essa pergunta a um líder católico ou a uma pessoa que não tenha crença", afirmou Marina diante da pergunta da influência das suas crenças na sua tomada de decisão. "A fé de qualquer pessoa faz parte de sua vida e acho que deve ser respeitada tanto quanto quem não tem crença nenhuma. O presidente da República comprometido com o Estado laico tem de defender o Estado laico", afirmou. Na terça, durante entrevista no "Jornal da Globo", ele foi questionada sobre se realmente consulta a Bíblia para tomar decisões, como afirmado pela Folha de S. Paulo. Ela disse então que para qualquer cristão "a Bíblia é sem sombra de dúvida uma fonte de inspiração". Mesmo assim, ela afirmou que "as decisões são tomadas com base racional". Casamento gay Marina também voltou a comentar as alterações que fez no seu programa de governo retirando trecho de apoio ao casamento gay, embora mantenha pontos de apoio à união civil gay. A candidata afirmou que a mudança não aconteceu por pressão do pastor Silas Malafaia, líder da igreja evangélica Assembleia de Deus Vitória em Cristo. Malafaia criticou o programa do PSB em redes sociais. "Para ser sincera, eu nem li os tuítes do pastor Silas Malafaia. Não me sinto pressionada por ele e nem por ninguém. Eu me sinto no processo de discussão democrática. O nosso programa é respeito aos direitos da pessoa. Os direitos dos que creem e dos que não creem", disse Marina. Ela disse também que a própria equipe de governo foi quem fez as modificações, não ela. "As pessoas podem até não acreditar. Já tem preconceito pelo fato de eu ser evangélica". Marina disse ainda que mesmo com as mudanças continua tendo propostas melhores para os homossexuais que as dos candidatos Aécio Neves (PSDB), a presidente Dilma Rousseff (PT) e Luciana Genro (PSOL).