• Médicos poderão se recusar a fazer abortos nos EUA

    Em mais um aceno a grupos conservadores dos EUA, o governo de Donald Trump anunciou nesta quinta (18) a criação de um departamento para garantir a liberdade religiosa e de consciência nos serviços de saúde do país -o que deve repercutir em casos de aborto, eutanásia ou cirurgias de mudança de sexo, entre outros.

    Com a mudança, profissionais de saúde que tenham objeções morais ou religiosas a determinadas práticas podem se declarar impedidos de atuar, sem por isso estar sujeitos a punições.

    + Milhares de mulheres protestam na Polônia a favor do aborto

    A nova Divisão de Consciência e Liberdade Religiosa, subordinada ao Departamento de Saúde, receberá petições de quem se sentir atingido. Ela atuará com base na Primeira Emenda da Constituição dos EUA, que garante a liberdade de expressão, e em outras quatro legislações federais, que estabelecem proteções contra discriminação religiosa e práticas abortivas.

    O site da agência cita como exemplos casos de aborto, eutanásia, suicídio assistido, esterilização ou "procedimentos que sejam contrários às suas crenças morais ou religiosas".

    O secretário interino de Saúde dos EUA, Eric Hargan, afirmou que os profissionais que se opunham a realizar alguns desses procedimentos vinham sendo "discriminados e intimidados" nos serviços de saúde.

    Para ele, com a medida, Trump cumpre sua promessa de reforçar a liberdade religiosa no país. Grupos conservadores e antiaborto comemoraram a medida, divulgada na véspera da Marcha pela Vida, em Washington.

    "Essa liberdade religiosa é o que distingue a América de tantas outras nações", afirmou a ativista Kristen Waggoner, presidente da Aliança em Defesa da Liberdade, ligada a cristãos conservadores.

    Já ativistas dos direitos LGBT e da causa pró-aborto afirmaram que a criação da agência discrimina trans e homossexuais –e pode estimular a intolerância.

    "Trata-se de uma tentativa barata de Trump de satisfazer os grupos ultraconservadores que o colocaram no poder", disse a vice-presidente do grupo Católicos pela Escolha, Sara Hutchinson Ratcliffe.  Com informações da Folhapress.




MAIS NOTÍCIAS