• SpaceX começa a testar seu ambicioso projeto de internet por satélite nos próximos dias

    Com o lançamento inaugural do poderoso foguete Falcon Heavy nos registros, o CEO da SpaceX, Elon Musk, está pronto para focar em um ambicioso projeto conhecido como Starlink. Neste sábado (17), a SpaceX lançará dois minissatélites experimentais – a primeira parte do que Musk espera se tornar uma constelação formada por 4.000 satélites que providenciarão internet de baixo custo por todo o globo.
    Anunciado em 2015, o Starlink foi projetado para ser uma enorme rede de telecomunicações baseada no espaço que consistirá em milhares de satélites interligados e diversas estações terrestres dispersadas geograficamente. O CEO Elon Musk diz que a SpaceX vai “tentar fazer para os satélites o que a empresa fez para os foguetes”. O plano é fornecer um serviço de internet global até a metade dos anos 2020, com alguns passos à frente de potenciais concorrente. Caso tudo corra de acordo com o planejado, a receita gerada pelo projeto Starlink poderá ser usada para financiar eventuais missões da SpaceX para Marte.
     

    SpaceX começa a testar seu ambicioso projeto de internet por satélite nos próximos dias

    Dois protótipos, chamados de Microsat 2a e 2b, estão agora carregados e prontos para serem lançados do topo do foguete Falcon-9 V1.2. Um memorando da Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia, confirmou o lançamento, que está programado para sábado, 17 de fevereiro, às 12h17, no horário de Brasília. Além desses minissatélites, o Falcon 9 também entregará um radar satélite de 1.360 kg chamado Paz para o governo espanhol.

     

    Static fire test of Falcon 9 complete—targeting February 17 launch of PAZ from Vandenberg Air Force Base in California.

    Pouco se sabe sobre o Starlink e os satélites de teste, já que a SpaceX tem mantido o bico fechado quanto ao projeto, e por uma boa razão. A companhia encara forte competição de rivais como OneWeb, Samsung, Boeing e Telesat. Tanto a OneWeb (que firma parcerias com a Blue Origin, de Jeff Bezos, e a Virgin Orbit, de Richard Branson) quanto a Samsung têm planos de criar uma constelação de comunicação semelhante, também utilizando satélites na órbita terrestre baixa. Mas graças a uma inscrição governamental publicamente disponível, alguns detalhes dos satélites são conhecidos. Os microssatélites gêmeos medem cada um 1,1 m x 0,7 m x 0,7 m, pesam 400 kg e são energizados por um par de painéis solares de oito metros. Assim que atingirem a altitude de 1.125 km, a SpaceX testará os diversos sistemas dos satélites, incluindo sua antena de rede por fases. A companhia diz que irá conduzir testes de banda Ku (12-14 GHz) do sistema de radiocomunicação uma vez a cada 0,9 dia por períodos que durem menos de 15 minutos. Estações terrestres foram posicionadas no estado de Washington, Califórnia e Texas. A SpaceX continuará a testar o satélite de comunicação em vans equipadas com terminais receptores.


    A notícia do lançamento de sábado da SpaceX surge algumas semanas depois de um relatório da FCC (Comissão Federação de Comunicação, na sigla em inglês) revelar o número de americanos sem acesso a banda larga fixa ou móvel ser por volta dos 34,5 milhões (até 2014). Segundo informações do National Broadband Plan, o governo americano está atualmente tentando levar internet de alta velocidade a lugares onde o serviço é escasso, em especial nas áreas rurais.

    E como se tudo estivesse programado: a FCC acabou de aprovar a inscrição da SpaceX para fornecer serviços de banda larga para os EUA e para o mundo usando satélites na órbita terrestre baixa.

    “Para conectar essa divisão digital da América, teremos que utilizar tecnologias inovadoras. A inscrição da SpaceX – junto de outras companhias de satélite buscando licenças ou acesso ao mercado americano para sistemas de órbita para satélites não geoestacionários – envolveu inovações do tipo”, afirmou o presidente da FCC, Ajit Pai, em um comunicado. “Tecnologia por satélite pode ajudar a alcançar americanos que vivem em áreas rurais ou de difícil acesso, que cabos de fibra óptica e torres celulares não alcançam. Inclusive, o serviço pode até mesmo oferecer mais competição em locais em que o acesso a internet terrestre já é disponibilizado."

    Inscrições semelhantes feitas pela OneWeb, Space Norway e Telesat para o mercado americano já foram aprovadas pela FCC, noticia a Reuters. Sendo este o caso, e vendo que a FCC aprovou o lançamento de sábado, deve ser apenas uma questão de tempo antes da companhia de foguetes – e agora companhia de satélites – receber o sinal verde.

    Como de costume, você pode assistir ao lançamento de sábado na página da SpaceX.(Gizmodo)




MAIS NOTÍCIAS