• Laudo vê transação financeira entre suspeito e prima de José Serra

    Os investigadores da Lava Jato identificaram transações financeiras entre o empresário José Amaro Pinto Ramos e uma prima do senador José Serra (PSDB-SP), Vicencia Talan - casada com Gregório Marin Preciado, suspeito de intermediar pagamentos indevidos a políticos.

    Pinto Ramos é apontado pelo ex-presidente da Odebrecht Pedro Novis como intermediário de repasse de R$ 4,5 milhões ao senador entre 2006 e 2007. O tucano nega qualquer relação comercial com os citados.

    O Estado apurou que dados sobre as transações financeiras entre a empresa da prima de Serra e a de Pinto Ramos serão requeridos pelos investigadores em Brasília no inquérito que investiga se o senador paulista recebeu propina da Odebrecht.

    As informações constam de um laudo pericial produzido pela Polícia Federal no inquérito que apura a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobrás. O marido da prima de Serra é suspeito de operar o pagamento de propina na compra de Pasadena.

    A perícia analisou a quebra de sigilo das empresas de Preciado. Os dados foram enviados pela Espanha por meio de um acordo de cooperação. Conforme a PF, as transações foram da conta da Iberbrás Integracion no banco espanhol La Caixa para uma conta da Hexagon Technical Co. no Corner Bank na Suíça.

    A offshore Iberbrás está em nome de Vicencia Talan, mas é administrada por Preciado. Segundo informações obtidas na Espanha pela Operação Lava Jato, há transferências que somam 572 mil euros e outros US$ 258 mi, entre 2007 e 2008. Em valores atualizados o valor alcança R$ 3,2 milhões. A Hexagon é uma offshore panamenha e gerida na Suíça por Pinto Ramos. É a primeira vez que a PF identifica uma relação entre uma pessoa próxima ao senador tucano e o empresário.

    Em depoimento à PF no dia 31 de janeiro, o próprio Pinto Ramos confirmou ser proprietário da Hexagon e das contas no Corner Bank. O empresário também assumiu não ter declarado a empresa e as contas para a Receita Federal do Brasil.

    COM A PALAVRA, JOSÉ SERRA

    Serra afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que conhece os personagens citados na investigação, "mas jamais manteve relações comerciais ou políticas com eles". Sobre a delação de Pedro Novis, da Odebrecht, o senador disse que jamais recebeu vantagens indevidas de empresa.

    COM A PALAVRA, EDUARDO CARNELÓS, DEFENSOR DE JOSÉ AMARO PINTO RAMOS

    Equipamentos para as Usinas Termoelétricas de Candiota e Jacuí foram adquiridos pela então companhia de eletricidade do Rio Grande do Sul (CEEE) nos anos 1980 e, por não terem tido os seus financiamentos pagos, ficaram retidos na França. José Ramos, à época conselheiro do Banco Francês do Comércio Exterior, responsável pelo financiamento desses equipamentos, trabalhou para tentar resolver o imbróglio, cujo desfecho só se concretizou nos anos 90, com os acordos de recomposição da dívida externa brasileira no Clube de Paris.

    Quando os equipamentos foram, enfim, liberados, o Governo gaúcho anunciou um edital para privatizar a concessão de operação daquelas usinas.

    Ramos e outros interessados, inclusive os fabricantes dos equipamentos, formaram um grupo para participar. Ramos contratou profissionais para montar o projeto, tanto na parte de engenharia, como, no que era o mais complexo e valioso, para calcular as tarifas que poderiam ser oferecidas no certame. Porém, o Governo mudou de ideia e as usinas acabaram sendo entregues a operadores chineses, que abandonaram boa parte do equipamento comprado e importaram os deles. Portanto, equipamentos, estudos e projetos valiosos sobraram sem uso.

    Anos depois, em 2005, o Uruguai, com problemas para abastecer com energia suas futuras fábricas de celulose, buscava soluções, e uma pessoa de inteira confiança 

    Laudo vê transação financeira entre suspeito e prima de José Serra

    de Ramos, o sr. Maurício Sorhuet, uruguaio, lhe disse que teria um grupo de investidores, sobretudo espanhóis, interessados no projeto de termoelétrica no país, e que ele, conhecendo o envolvimento de Ramos com os frustrados projetos das Usinas de Candiota e Jacuí, poderia aproximá-los para uma consultoria. Assim sendo, Ramos transferiu a Maurício o cabedal de conhecimentos e projetos e acesso aos equipamentos restantes.

    Todas as tratativas foram feitas com o Sr. Sorhuet. Os valores recebidos foram todos utilizados pessoalmente por Ramos, ou por suas empresas nos seus demais projetos de consultoria.

    Ramos jamais conheceu Gregório Marin Preciado (de quem somente ouviu falar por matérias jornalísticas), nem sua esposa, e não tinha conhecimento de qualquer ligação entre esse senhor e a empresa Iberbras, responsável pelos pagamentos recebidos.

    É fundamental frisar que esses pagamentos não têm relação com José Serra, cuja ligação com Marin Preciado Ramos veio a saber também por meio da imprensa. Tampouco aqueles pagamentos guardam relação com os fatos relatados por delatores da Odebrecht, sobre os quais Ramos já prestou depoimento e demonstrou que as remessas que recebeu igualmente não se destinavam a campanha do senador Serra.

    COM A PALAVRA, GREGÓRIO MARIN PRECIADO E VICENCIA TALAN

    O Estado ligou para um número de telefone residencial em nome de Gregório Marin Preciado. Uma pessoa que não quis se identificar atendeu e disse que pediria para ele retornar a ligação. Até a publicação deste texto, nem Preciado nem Vicencia Talan responderam. O espaço está aberto.(Estadão )




MAIS NOTÍCIAS