• Bombeiros dizem que 44 pessoas ainda não foram localizadas após incêndio no centro de SP

    Bombeiros continuam combate a focos de incêndio no prédio que desabou em São Paulo (Foto: Reprodução/TV Globo)

    O Corpo de Bombeiros voltou atrás na manhã desta quarta-feira (2) e manteve em 44 o número de moradores ainda não localizados após o desabamento do prédio no Largo do Paissandu. Durante a madrugada, a corporação havia informado que o número tinha sido reduzido para 29.

    Dentre essas pessoas, há uma desaparecida: trata-se de um homem que estava sendo resgatado por bombeiros no momento do desabamento do prédio. Também não há informação sobre possíveis mortos.

    Ainda de acordo com Max Schroeder, o trabalho vai ser concentrar em três frentes: o rescaldo e o resfriamento do local para evitar outros focos de incêndio, as buscas pelo desaparecido e a liberação de algumas vias da região. Uma retroescavadeira estava sendo utilizada para retirada de alguns escombros do local.

    Segundo o G1, os bombeiros devem levar 48 horas para começar a mexer na estrutura do edifício e a estimativa é que os trablhos no local durem ao menos uma semana. As equipes de resgate vão usar nas buscas câmeras que detectam calor instaladas em drones. A câmera térmica é capaz de separar o calor da pele humana e detectar pessoa com sobrevida.

    O prédio era ocupado por 372 pessoas, de 146 famílias, segundo o Corpo de Bombeiros. Dessas, 28 pessoas ainda não foram localizadas --o que não significa necessariamente que todas estivessem no prédio. De acordo com a prefeitura, 320 pessoas foram cadastradas como desabrigadas após o desabamento e 40 delas buscaram atendimento na assistência social.

    Desabamento de Prédio
    São Paulo
    tragédia



MAIS NOTÍCIAS