• Lídice aponta tentativa de

    Lídice da Mata disse que há uma tentativa corrente de "demonização" contra a presidenciável Marina Silva. Foto: Fabiano Neves / Destaquebahia.com.br

    A senadora Lídice da Mata, candidata do PSB ao governo estadual, disse que há uma tentativa corrente de "demonização" contra a presidenciável Marina Silva. "Tenta-se torná-la uma pessoa que não tem história". Sobre a inclusão do nome do anterior presidenciável do PSB, Eduardo Campos, na lista de beneficiários em esquema de corrupção da Petrobras, Lídice afirmou: "Após o desastre do avião, buscou-se matar Eduardo uma segunda vez", diz a candidata.

    Segundo avalia, isto ocorre diante da real possibilidade de vitória da ex-ministra do Meio Ambiente, que substitui o ex-governador de Pernambuco na corrida eleitoral. Ela disse que a primeira tentativa de macular a imagem de Campos foi quando se questionou se os recursos para a aquisição do avião com o qual ocorreu o acidente não seriam provenientes de caixa dois. Quanto à lista revelada por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras entre 2004 e 2012, Lídice disse que é também temerário divulgar informações vazadas e não confirmadas.

    A socialista afirmou isto na sabatina transmitida nesta segunda-feira, à noite, pela TV Aratu/SBT, no projeto Vota Bahia, que reúne ainda os grupos A TARDE e Metrópole, quando foi sabatinada pelos jornalistas Levi Vasconcelos, que foi também o mediador, Jeane Borges, Biaggio Talento e Patrícia França.

    Lídice da Mata disse que ainda pretende colar sua imagem mais fortemente à de Marina Silva, que aparece empatada tecnicamente com a presidente Dilma Roussef (PT), candidata à reeleição - segundo os principais  institutos de pesquisa, Marina venceria no segundo turno.

    Para Lídice, tenta-se minar a candidatura de Marina com questionamentos que não são realizados com os outros candidatos, como os referentes ao aborto, ao casamento entre pessoas do mesmo sexo e à liberação da maconha. A socialista defendeu que o programa do partido referente aos temas não são exclusivamente reflexo das opiniões de Marina Silva, mas do conjunto do partido e dos partidos coligados.

    Quanto ao casamento gay, Lídice disse ser favorável àquilo que foi definido pelo Supremo Tribunal Federal, que reconheceu a legalidade da união civil. Ela disse ainda que, quanto ao aborto, as mulheres que realizam o ato não podem ser criminalizadas, mas receber a devida atenção da rede pública de saúde. "O aborto não é visto pelo movimento feminista como forma de planejamento familiar, é a ação de desespero de uma mulher", defendeu Lídice.




MAIS NOTÍCIAS