• Tanhaçu: Bairro Bela Vista recebe ampliação da rede de esgoto, veja o vídeo

    Diversas ruas do Bairro Bela Vista, em Tanhaçu, estão recebendo ampliação da rede de esgoto.
    Ao todo são 540 metros de encanação que estão sento instaladas pela equipe de infraestrutura do município. Agora a população contará com mais conforto e comodidade, além de saúde e qualidade de vida. Veja o vídeo:



  • Em pouco mais de 7 meses polícia baiana apreende mais drogas do que em todo ano de 2017

    Foto: Divulgação | SSP

    Em pouco mais de sete meses a polícia baiana apreendeu mais drogas do que em todo ano de 2017. Entre janeiro e o início de agosto 17,5 toneladas de entorpecentes foram encontradas, na Bahia. Em 2017 o número total foi de 16 toneladas.

    As maiores apreensões de maconha aconteceram em plantações, nos meses de março, quando a Cipe Semiárido localizou 10 toneladas, na cidade de Xique-Xique, em maio com a COE achando 1,5 tonelada em Esplanada e, em junho, no município de Canarana, onde equipes da Rondesp Chapada e da Delegacia Territorial encontraram 1,5 tonelada. Além dos plantios, em Feira de Santana, no dia 4 de julho, 350 kg de maconha prensada foram retirados das ruas pela DTE.

    Em duas ações conjuntas de forças estaduais e federais, dois grandes montantes de entorpecentes acabaram encontrados, na capital e na RMS. Em junho a COE (Canil) e PF, no Porto de Salvador, apreenderam cerca de 1,5 tonelada de cocaína, avaliada em R$ 22,5 milhões. Já na cidade de Simões Filho, em julho, o Batalhão de Choque, a Rondesp BTS e a PF descobriram 200 kg de pasta base de cocaína, avaliados em R$ 4 milhões, em um galpão.

    Ainda no primeiro semestre, em abril, a DTE de Feira estourou um laboratório de refino de drogas. Uma carga de 40 kg de cocaína, com marca da Apple, foi localizada.

    "Parabéns a todos os policiais baianos pela dedicação 24h. O nosso foco principal é o combate às quadrilhas de traficantes e com as apreensões enfraquecemos as facções", destacou o secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa. Ressaltou ainda o trabalho integrado. "Muito valiosa a parceria com as forças federais. Estamos todos em sintonia", concluiu.







  • Chineses sobrevoam mina de ferro e ferrovia em Caetité

    Representantes do Governo do Estado, da Bahia Mineração (Bamin), da ERG, acionista da Bamin, e empresários chineses fizeram neste domingo (12) um sobrevoo na mina de minério de ferro localizada em Caetité, sudoeste do estado, e em trechos da Ferrovia Oeste-Leste (Fiol). 

    Chineses sobrevoam mina de ferro e ferrovia em Caetité

    Na ocasião, os chineses conheceram de perto a qualidade do minério e a extensão da mina. As empresas da China, a Bamin e a ERG vão trabalhar em conjunto para desenvolver os projetos da Fiol, mina de ferro e Porto Sul, que já tem todas as licenças para início das obras. 

    “O objetivo dessa visita é continuar fortalecendo a parceira dos projetos da Fiol, Porto Sul e mina de ferro. O presidente da companhia chinesa Crec e suas subsidiárias veio conferir de perto o projeto que vai contribuir para o desenvolvimento da Bahia”, afirmou o coordenador executivo da Casa Civil, José Carlos, que acompanha os chineses na visita. 

    Chineses sobrevoam mina de ferro e ferrovia em Caetité

    Nesta segunda-feira (13), o governador Rui Costa irá se reunir com os presidentes e demais executivos das companhias chinesas. Essas empresas vão apresentar resultados positivos dos projetos da mina, Porto Sul e Fiol. Além dos chineses, participam da reunião o presidente da Bahia Mineração (Bamin) e o chefe regional da ERG, grupo controlador da Bamin.

    Aprovados estudos da Fiol

    No último dia 7 de agosto, mais um importante passo para o desenvolvimento do projeto foi dado com a aprovação, pelo Governo Federal, dos Estudos de Viabilidade Técnica e Econômica referentes ao processo de concessão da Fiol, do trecho de Ilhéus até Caetité. Os estudos foram contratados, através de uma licitação pública, pelo Governo do Estado da Bahia com o propósito de dar celeridade ao processo de implantação do equipamento, com a retomada das obras.

    Com o relatório de aprovação emitido pela Secretaria Nacional de Transportes Terrestre e Aquaviário,  vinculada ao Ministério dos Transportes, fica estabelecido que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) já está autorizada a abrir o processo de licitação de concessão da Ferrovia.



  • Uma homenagem da Bella Vista Embalagens e Festas ao Dia dos Pais

    A Bella Vista vende no atacado e varejo.  Localizada na Avenida Centenário, 226, no centro de Brumado. Ou ligue: (77) 3453-1830 / 3453-1835 e 9 9993.1260 (WhatsApp)



  • Supremo Tribunal Federal vai decidir se crianças podem ser educadas em casa; ação opõe pais e órgãos públicos

    Adolescente estuda em casa no Rio Grande do Sul; STF deve decidir neste mês sobre direito ao homeschooling (Foto: Arquivo pessoal)

    Um julgamento marcado para o próximo dia 30 no Supremo Tribunal Federal (STF) está opondo pais de alunos e órgãos públicos. A controvérsia envolve a possibilidade de os pais tirarem os filhos da escola para ensiná-los em casa, prática chamada de educação domiciliar.

     

    Na Corte, os ministros vão decidir se essa forma de ensino, conhecida internacionalmente como “homeschooling” e mais comum nos Estados Unidos, passa pelo crivo da Constituição.
    No artigo 205, a Carta trata a educação como um “direito de todos e dever do Estado e da família”, a ser “promovida e incentivada com a colaboração da sociedade”.

    O objetivo, segundo a Constituição, é o “pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho”.

    A ação no STF

    A ação a ser julgada no STF surgiu em 2012, quando uma estudante de Canela (RS), à época com 11 anos, pediu ao juiz da cidade, com apoio dos pais, o direito de ser educada em casa.

    O objetivo era derrubar decisão da Secretaria Municipal de Educação que orientava os pais a matricularem a menina, com compromisso de frequentar a escola.

    Até 2011, ela havia estudado numa escola pública da cidade, mas queria cursar o ensino médio com ajuda dos pais em casa. Motivo: a escola juntava na mesma classe alunos de idades e séries diferentes.

    Os colegas mais velhos, diziam os pais, tinham sexualidade avançada e falavam palavrões, o que, para eles, não refletia um critério ideal de convivência e socialização.

    Os pais também discordavam de algumas “imposições pedagógicas” da escola, como o ensino do evolucionismo – a família é cristã, acredita no criacionismo e, diz a ação, “não aceita viável ou crível que os homens tenham evoluído de um macaco”.

    O juiz da comarca negou o pedido. Argumentou que “o convívio em sociedade implica respeitar as diferenças” e que a escola é o primeiro lugar em que a criança se vê diante disso, no contato com colegas de diferentes “religiões, cor, preferência musical, até de nacionalidades distintas, etc”. “O mundo não é feito de iguais”, escreveu o juiz na sentença.

    A decisão foi mantida na segunda instância da Justiça pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS).

    A família recorreu ao Supremo Tribunal Federal e, em 2016, o ministro Luís Roberto Barroso suspendeu todas as decisões judiciais que impediam pais de educarem os filhos em casa até a uma posição final do STF sobre o assunto.

    A solução a ser adotada pelo Supremo – com proibição ou permissão, com ou sem parâmetros mínimos para a prática do “homeschooling” no Brasil – valerá para todos os casos.

    Pelas estatísticas do STF, existem ao menos 40 ações paradas no país, principalmente na região Sul, aguardando uma definição.

    A Associação Nacional de Educação Familiar (Aned), que reúne pais e ativistas da causa, estima em ao menos 5 mil o número de famílias que ensinam cerca de 10 mil estudantes em casa – a expectativa delas é que a decisão do STF traga segurança jurídica e evite processos judiciais como no caso de Canela.

    Órgãos públicos

    O processo no STF colocou em polos opostos vários órgãos públicos, de um lado, e pais e associações de defensores da educação domiciliar, de outro.

    Manifestaram-se contra a constitucionalidade da prática a Advocacia Geral da União (AGU), representando o Ministério da Educação e o Conselho Nacional de Educação; além de procuradores de 19 estados do país.

    Essas instituições afirmaram, em síntese, que Estado, sociedade e família devem agir de forma conjunta e não isolada na educação das crianças e adolescentes.

    “Quer dizer que cada um deve cumprir o seu papel e não que todos devem atuar da mesma forma”, diz o parecer da AGU.

    Outro argumento largamente utilizado é o da socialização. Para os órgãos públicos, a escola é importante para dar ao estudante experiências e visões diferentes daquelas apresentadas pela família.

    Além do aspecto do convívio com alunos de valores e origens diferentes, os representantes dos estados também argumentaram que só a escola, com professores, pedagogos e assistentes, tem a capacidade de ensinar um conteúdo completo e não algo “parcializado”.

    “O Estado tem o dever legal de zelar para que as crianças de hoje sejam no futuro cidadãos conscientes e com conhecimento mais amplo possível. [...] Se os pais pretendem 'filtrar' o ensino dos seus filhos, ausente o pluralismo de ideias”, diz a manifestação do Colégio Nacional de Procuradores-Gerais dos Estados e do Distrito Federal.

    A Procuradoria Geral da República (PGR) adotou posição intermediária. Disse que a Constituição não proíbe “estratégias alternativas” de ensino, mas, para isso, são necessárias regras legais a fim de propiciar “socialização e formação plena”.

    Sem lei aprovada pelo Congresso que permita aferir frequência e avaliação do aprendizado, o STF não poderia liberar a prática sem regras mínimas, disse a PGR.

    Pais e estudiosos

    Advogado e amigo da família de Canela que pediu autorização para educar a filha em casa, Julio César Tricot Santos atua no caso desde o início do processo.

    Ele argumentar principalmente que, na realidade da escola pública brasileira de hoje, a socialização com outros alunos está longe de ser uma experiência positiva e enriquecedora para uma criança.

    “O bullying é um problema real. O diferente nunca é aceito. Tenho uma família que veio do Maranhão para Nova Petrópolis (RS), com sotaque diferente. O menino apanhava quase todos os dias no colégio”, exemplifica.

    Outro problema são as drogas e a violência. “A escola particular tem segurança na entrada e no meio. A escola pública não tem”.

    Um convívio mais saudável, diz Santos, também pode ser proporcionado e monitorado de perto pela família junto a vizinhos, igrejas, clubes e atividades esportivas.

    Outro aspecto crucial, para ele, é a qualidade do ensino, que vem caindo no país, na avaliação de muitos pais e conforme testes internacionais de alfabetização aos quais os alunos brasileiros são submetidos.

    Os defensores do homeschooling dizem que, educadas em casa, as crianças aprendem mais porque se concentram mais nos estudos que em sala de aula, onde professores perdem tempo tentando disciplinar a classe.

    Citam pesquisas em outros países, onde a prática é mais aceita, que mostram melhor rendimento dos estudantes educados em casa.

    Se os resultados parecem positivos, por que os órgãos públicos são unanimemente contra?

    Para o advogado Édison Prado de Andrade, com doutorado no tema pela USP e gestor da Associação Brasileira de Defesa e Promoção da Educação Familiar, tal posição é fruto de uma visão idealizada e teórica, não de uma percepção real e empírica da escola.

    “Os pais lidam com a escola real. O sistema de ensino lida com a escola ideal, como deveria ser, mas não como a escola é”, diz Andrade.

    Para ele, o poder público acabou absorvendo uma compreensão invertida dos papéis: se antigamente se entendia que quem educava era a família, nas últimas décadas muitos pais, mais ocupados com o trabalho, têm delegado a tarefa à escola, tida como um “depósito” para as crianças.

    “O Brasil foi construindo ao longo do tempo uma ideia falsa de que a solução para todos seus problemas está na escola. Se fala em educação, mas se entende como sinônimo de escola. Quem trabalha com escola sabe que não é solução, é problema”, diz o advogado.

    “A escola pública é para pobre. Quem tem renda tenta colocar em escola particular. Servidores públicos, mesmo da educação, não colocam seus filhos na escola pública. Nas escolas privadas, os pais colocam os filhos o dia inteiro como depósito”, completa.

    Propostas

    A rigor, um julgamento no STF sobre a constitucionalidade do “homeschooling” não pode detalhar como o método pode ser aplicado, tarefa que caberia ao Congresso, na aprovação de lei. Há, porém, a possibilidade de a Corte estabelecer condições mínimas para a prática.

    Na Câmara, há três propostas que tramitam em conjunto para regulamentar a educação domiciliar.

    Um projeto permite que os pais ensinem os filhos em casa, mas os obriga a matriculá-los na escola para que sejam avaliados em exames periodicamente e tenham o aprendizado inspecionado no ambiente em que estudam.

    As discussões se arrastam desde 2012, mas ainda não há previsão de aprovação final pela Casa nem de remessa do texto ao Senado para votação.

    Professora da Faculdade de Educação na Unicamp e com doutorado no tema, Luciane Barbosa considera a regulamentação “absolutamente necessária”, mas um grande desafio.

    Para ela, a desigualdade social e econômica do país faz com a escola seja a principal ou única forma de acesso à educação da maior parte da população.

    “Não basta simplesmente tornar a prática constitucional. Mas deve-se regulamentá-la de maneira que as crianças e adolescentes de camadas menos privilegiadas não tenham direitos desrespeitados. Hoje, infelizmente, obrigar a criança a ir para a escola significa, para muitos, retirá-la, ao menos em parte do dia, do trabalho infantil, da participação no tráfico”, diz.

    CONTINUE LENDO






  • Uma homenagem da Taisan Auto ao Dia dos Pais


  • Comerciante é executado a tiros em Barra da Estiva; autor estava encapuzado

    Aguinaldo "Moquinha" foi executado dentro de sua residência. Foto: Destaquebahia

    Barra da Estiva, na Chapada Diamantina, volta a ser palco de mais um homicídio, desta vez, a vítima foi um guarda municipal que também tinha um comércio no Bairro Alto México, onde residia e foi executado.

    De acordo com as informações obtidas pelo Destaque Bahia, por volta das 20hs, um homem magro, baixo e moreno, chegou encapuzado na residência de Agnaldo Novaes Mendes “Moquinha”, 58 anos, rendeu a sua filha e mandou chamá - lo. Quando Agnaldo apareceu foi recebido a tiros, e o autor saiu correndo.
    Aguinaldo ainda chegou a ser socorrido ao Hospital Susy Zanfretta, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu.
    A Polícia Militar realiza diligências e a Civil já está ouvindo possíveis testemunhas no intuito de elucidar o crime, a suspeita é que o crime tenha sido encomendado.
    A Polícia Técnica foi acionada para realizar a perícia e encaminhado o corpo ao IML (Instituto Médico Legal) de Brumado para ser necropsiado e posteriormente liberado para os familiares realizarem o sepultamento.
    O último homicídio registrado em Barra da Estiva foi no fim do mês passado, onde um homem foi encontrado morto a tiros na zona rural do município.
     







  • Aracatuense está desaparecido na região da Chapada Diamantina, família pede ajuda para descobrir seu paradeiro

    Familiares procuram por Sidnei de Jesus Silva, 30 anos. Ele é da Fazenda Serra Negra, município de Aracatu e, segundo informações da família, estava trabalhando em uma fazenda em Cascavel, distrito de Ibicoara, Chapada Diamantina.
    No início da semana, Sidnei teria deixado a fazenda para voltar pra sua casa em Aracatu, mas até o momento não apareceu. A família está preocupada e pede pra quem tiver qualquer informação entrar em contato através dos telefones: 77 9 9917 1924  / 77 9 9838 – 9985. 

    O jovem é trabalhador e pode estar perdido, já que o pessoal com quem ele foi junto trabalhar, deixou a fazenda dias antes. A Família supeita que ele possa estar sem dinheiro pra voltar pra casa, provavelmente entre Ibicoara e Barra da Estiva.

     







  • Brumado: Polícia age rápido e recupera motocicleta roubada na 18º Ciretran

    Foto: Divulgação | Polícia Militar

    Por volta de 19:00hs de ontem (09), após tomar conhecimento de que uma motocicleta havia sido furtada de dentro das dependências da Ciretran-Brumado, a guarnição de Rondas Rurais passou a diligenciar para recuperar o veículo e prender os envolvidos, tendo na avenida Cel. Santos, São Félix, percebido que, após visualizar a guarnição, um indivíduo tratou de abandonar uma motocicleta, de placa policial JQG-4736. Em fuga, o jovem pulou vários muros e invadiu casas, conseguindo escapar pelo matagal. No local, a guarnição encontrou uma porção de substância semelhante a maconha, um separador de ervas e a motocicleta furtada. Por essas circunstâncias, a substância e a moto foram levadas e entregues na sede da 20° COORPIN, onde o fato foi registrado.







  • Secretário de Educação do Estado visita Brumado para implantação do Projeto Escolas Culturais

    Foto: Destaque Bahia

    O Secretário de Educação do Estado da Bahia, Walter Pinheiro, esteve em Brumado durante a manhã desta sexta-feira (10), para a implantação do projeto Escolas Culturais no Colégio Estadual de Educação Profissional (CEEP). Implantado pelo Estado da Bahia, o projeto Escolas Culturais objetivas buscam promover o protagonismo estudantil, além de reconhecer e requalificar a escola como um espaço de circulação e produção da diversidade cultural do Território de Identidade onde está inserida. 

    Secretário de Educação do Estado visita Brumado para implantação do Projeto Escolas Culturais

    Foto: Destaque Bahia

    A iniciativa potencializa as experiências artísticas e culturais já existentes nas unidades escolares e fomenta novas atividades.

    Em Brumado, Walter conheceu as instalações da escola, participou e assistiu apresentações preparadas pelos alunos.

    Secretário de Educação do Estado visita Brumado para implantação do Projeto Escolas Culturais

    Foto: Destaque Bahia

    O projeto, que também já foi lançado em Jequié, Ilhéus, Itabuna, Juazeiro, Gandu, Bom Jesus da Lapa, Feira de Santana, Itaberaba, Teixeira de Freitas, Guanambi, Seabra, Ipiaú, Irecê, Santo Antônio de Jesus e Itapetinga, é resultado de parceria entre as Secretarias da Educação, de Cultura (SECULT), de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS) e Casa Civil.

    Secretário de Educação do Estado visita Brumado para implantação do Projeto Escolas Culturais

    Foto: Destaque Bahia

    Além de Brumado o secretário estará visitando outros municípios com o mesmo objetivo.







  • Em operação conjunta, PRF e CIPE-Sudoeste apreende drogas e armas na BR-116

    Foto: Divulgação CIPE Sudoeste

    Hoje pela manhã, foi desencadeada uma Operação conjunta entre a PRF e a CIPE-Sudoeste, com vistas a coibir o tráfico de drogas e armas na região da BR-116, porta de entrada na Bahia, de materiais ilícitos vindo do Sul e Sudeste do país, mais detidamente, o Estado de Minas Gerais. Numa abordagem, com a utilização do canil da CIPE-Sudoeste, prepostos da PRF e da própria CIPE, acabaram encontrando no veículo de placa de identificação ABF-9946, Mato Grosso do Sul, modelo Chevy, os seguintes materiais: 60kg maconha; 17.3 Kg Cocaína; 850g Crack; 1122 munições 9mm; 100 munições 38; 100 munições 357; 01 Pistola Thunder 9mm - Bersa com brasão da Polícia Argentina; 01 revolver Magnum 357. Duas pessoas foram presas. 



  • Polícia recupera bombas hidráulicas que haviam sido furtadas na zona rural de Malhada de Pedras

    Foto: Destaque Bahia

    A Polícia recuperou na noite de ontem (08), duas bombas hidráulicas que haviam sido furtadas e apreendeu aparelhos de som automotivo na zona rural de Malhada de Pedras. De acordo informações obtidas pelo Destaque Bahia, o fato aconteceu no povoado de Tanque Novo, onde a polícia foi informada que um indivíduo estaria de posse de uma das bombas roubadas. Ao encontra-lo, o mesmo foi questionado sobre como teria adquirido o material, quando informou que havia comprado de um homem de nome Alexandre. A guarnição seguiu em diligência onde localizou o Alexandre, tendo esse confessado que teria furtado o total de quatro bombas de poços artesianos em companhia do indivíduo conhecido por Lalau, tendo ficado com duas bombas e duas com o comparsa. A outra bomba que ter ficado com Alexandre foi encontrada no povoado de Tabuleirinho, onde o indivíduo efetuou uma troca em materiais de som automotivo. Todo o material foi encaminhado para delegacia de Brumado para adoção das medidas cabíveis.







  • Prefeitura e SESAB irão realizar exames gratuitos de Mamografia em Brumado

    Foto: Divulgação

    A detecção precoce é considerada a chave para o tratamento bem-sucedido da mamografia, já que descobrir o câncer de mama antes que seja detectável pelo exame clínico é um diagnóstico muito favorável. Embora o autoexame seja importante, ele não ajuda no diagnóstico precoce da doença, como muitas mulheres imaginam. Então diante disso a realização do exame de mamografia a partir das mulheres que estão na faixa etária entre os 50 e 69 anos. Buscando ampliar a oferta deste serviço tão importante para as mulheres, as secretarias de saúde do estado e da prefeitura de Brumado irão realizar a partir do dia 13 de agosto o rastreamento do câncer de mama para as mulheres que estejam na faixa etária supracitada. Os exames serão feitos no Ginásio Municipal Antônio Alves Ribeiro e irão até o dia 29.







  • Sessão da Câmara de Vereadores de Brumado é suspensa devido ao falecimento da mãe de Zé Ribeiro

    Foto: Destaquebahia

    A câmara de Vereadores de Brumado suspendeu a sessão na manhã desta sexta-feira (10), em memória ao falecimento da mãe do Vereador José Ribeiro Neves, a senhora Iracy Ribeiro Neves. A sessão que chegou a ser iniciada, foi suspensa a pedido do Presidente Leonardo Vasconcelos. Foi respeitado ainda um minuto de silêncio pelo falecimento da mãe do parlamentar.



  • Em debate presidencial morno, candidatos evitam confrontos

    No primeiro debate presidencial das eleições 2018, os candidatos evitaram, na maior parte do tempo, o confronto direto. O encontro entre os presidenciáveis, promovido na noite desta quinta-feira pela TV Bandeirantes, 9, durou cerca de 3 horas e meia, e transcorreu em temperatura morna. A expectativa de que o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, fosse o principal alvo de questionamentos dos adversários não se confirmou. Dono da maior coalizão partidária, o tucano Geraldo Alckmin foi alvo de provocações dos rivais. 

    Bolsonaro lidera as pesquisas de intenção de voto nos cenários sem a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, mesmo preso e condenado na Lava Jato, foi oficializado como candidato do PT no fim de semana passado. A defesa tentou garantir sua presença no debate, mas os pedidos foram negados pela Justiça.

    Além de Bolsonaro e Alckmin, participaram do debate Marina Silva (Rede),Ciro Gomes (PDT), Alvaro Dias (Podemos), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Cabo Daciolo (Patriota).

    Com um discurso mais técnico, candidato do PSDB, na maior parte das respostas, procurou citar dados de suas gestões em São Paulo, mas foi associado ao governo Michel Temer. Marina Silva criticou a aliança do PSDB com o Centrão, que integra a base da gestão do MDB. A ex-ministra disse que o governo é responsável pelas “mazelas e tem assaltado o povo”. “Isso é fazer mudança?”, questionou ela ao tucano.

    Alckmin afirmou que, para sair do “marasmo”, é preciso aprovar reformas e que isso depende de uma “maioria” no Congresso. “Alianças são por tempo de TV, para se manter no poder. É a governabilidade com base no exercício puro e simples do poder”, disse Marina. “Política é um caminho 

    para mudanças e alianças são necessárias para implementar mudanças”, respondeu o tucano.

    O Bolsa Família, marca de gestões petistas, foi elogiado por Meirelles e por Alckmin, que prometeram aprimorar o programa de distribuição de renda. O tucano aproveitou o tema para dizer que vai investir na área social, principalmente no Nordeste, levando “água ao semiárido”.

    O ex-ministro da Fazenda questionou o tucano ao dizer que o PSDB chamou o Bolsa Família de “Bolsa Esmola” e que o DEM, partido do Centrão que apoia Alckmin, afirmou que o programa “escraviza as pessoas”. O tucano afirmou que vai ampliar o programa com dinheiro do “Bolsa Banqueiro”

    Bolsonaro, que permaneceu sentado durante o primeiro bloco, foi orientado no intervalo a se levantar.

    O debate foi aberto com uma questão única para todos os candidatos: como combater o desemprego. Alvaro Dias gastou o tempo concedido se apresentando aos telespectadores e foi interrompido quando citava novamente a sua intenção de, se eleito, convidar o juiz federal Sérgio Moro para o Ministério da Justiça.

    Na rodada de perguntas entre os candidatos, o momento mais quente ocorreu quando Boulos começou perguntando para Bolsonaro, a quem chamou de “machista”, “racista” e “homofóbico”. O líder o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) questionou o deputado sobre uma suposta funcionária fantasma mantida por Bolsonaro em Angra dos Reis. “Quem é a Wal”, disse Boulos. Bolsonaro afirmou que ela é uma funcionária em situação legal e retrucou: “Pensei que fosse discutir política.”

    O candidato do PSL questionou uma reportagem do jornal Folha de S.Paulo sobre a funcionária. “Eles foram lá e não acharam nada.” Na tréplica, Boulos afirmou: “Wal é funcionária fantasma, que cuida dos cachorros do Bolsonaro em Angra dos reis. Wal é vítima. Bolsonaro é a velha política corrupta. O senhor não tem vergonha?”, questionou Boulos. “Teria vergonha se invadisse casa dos outros”, respondeu o deputado.

    Ciro e Alckmin divergiram em relação à reforma trabalhista, aprovada em 2017. O candidato do PDT perguntou ao tucano se ele iria manter a reforma trabalhista, que, na avaliação do ex-ministro, introduziu insegurança jurídica e é uma “aberração”.
    Alckmin defendeu a reforma, que ele classificou como “avanço”. “Mantenho a posição, reforma trabalhista vai estimular mais emprego", afirmou.

    O tema “mulheres” foi citado por Alvaro Dias, que fez uma pergunta a Bolsonaro. Dias falou sobre a questão da diferença de salário entre homens e mulheres e da violência contra a mulher. Segundo Bolsonaro, a questão da misoginia foi um “rótulo que botaram” na minha conta”. Disse que valoriza as mulheres e que, em breve, os homens é que vão querer ganhar igual às mulheres. Citou ainda seu projeto de castração química de estupradores que quiserem reduzir suas penas. “Mas as mulheres de esquerda são contra.”/ PEDRO VENCESLAU, MARIANNA HOLANDA, GILBERTO AMENDOLA, MATEUS FAGUNDES, DANIEL GALVÃO

    Confira imagens dos candidatos durante o primeiro debate à Presidência(Estadão)

    CONTINUE LENDO