• Número de cheques sem fundos atinge maior patamar para o mês em 24 anos

    No geral, a inadimplência iniciou o segundo semestre em alta, impulsionada pela dificuldade cada vez maior dos brasileiros em honrar as contas do dia a dia. Com o orçamento que não fecha, despesas como a mensalidade escolar, a taxa de condomínio e a conta do telefone acabam indo para o fim da fila na hora que o consumidor escolhe o que vai ser pago primeiro.

    Números da Serasa Experian mostram que a chamada inadimplência “não bancária” — que também inclui cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e concessionárias de serviços— avançou 3,5% na passagem de junho para julho. E provocou a alta mensal de 0,6% na inadimplência geral do consumidor, já que o calote aos bancos caiu 2,2%.

    Já na comparação com julho do ano passado, o aumento da inadimplência geral chegou 19,4%, o maior alta para o mês desde 2011. No acumulado dos sete primeiros meses do ano, o salto foi de 16,8%.




MAIS NOTÍCIAS