publicidade
 
publicidade
 
publicidade
 
comentários
José Silveira da Rocha em:
Governo do Estado publica edital de licitação para implantação do Sistema de Abastecimento de Água de Piabanha em Aracatu
 
 
Aliane Aguiar em:
Homem é preso com 9 kg de maconha em Guanambi, no Bairro Beija Flor II
 
 
Leandro Vieira de Andrade santos em:
GUANAMBI: CÂMARA APROVA CRIAÇÃO DE GUARDA CIVIL ARMADA
 
 
Reginaldo em:
Caminhão roubado em Urandi pode ter dispensado a carga em Brumado
 
 
 
curta nossa fanpage
01.02.2014 - ARTIGO
 
VENDEDOR ASTUCIOSO
 
VENDEDOR ASTUCIOSO
Antônio Torres / Foto: Facebook / Destaquebahia.com.br
 
Por Antônio Torres.
 
Godofredo era nordestino e fez apenas o terceiro ano primário. Falava pelos
cotovelos. Trabalhava no eito e era uma fera no trabalho: fazia o serviço equivalente a
dois camaradas e, por isso, era muito requisitado e bem remunerado.
Com a crise que se alastrara pelo mundo, a falta de financiamentos e a
desvalorização dos produtos produzidos na roça, cujos preços eram inferiores aos gastos
de produção, as empresas e os proprietários de terras, empreendedores que davam
serviço aos trabalhadores rurais, retraíram-se, contendo-se, precavidamente diante das
incertezas. Ficaram na esperança de uma melhora e os empregos ficaram em baixa.
O indivíduo em pauta deslocou-se para o Estado de São Paulo, entendendo que
lá era a panaceia do emprego. E como sempre acontece em todos os lugares atingidos
pela crise, as empresas foram afetadas pelo desequilíbrio conjuntural entre a produção e
o consumo, acarretando aviltamento dos preços, falências, desemprego e
desorganização comercial. Por esse motivo, entraram na onda da demissão, negociando
com sindicatos e empregados a dispensa dos funcionários e para outras firmas mais
sólidas a redução de horas e diminuição do estipêndio, com intenção de proteger os
trabalhadores.

Diante dos fatos constatados, verificou tratar-se de uma grande ilusão ter ido
para São Paulo e passou a procurar qualquer trabalho que pudesse auxiliar no sustento,
contribuindo nas despesas com os parentes onde estava hospedado, pois achava-se
incomodado com a situação de dependente.

O protagonista, ao passar por uma casa comercial que vendia imagens de santos
e artigos religiosos, viu uma tabuleta solicitando empregado com experiência no ramo.
Apresentou-se ao empresário e por ter uma dialética desembaraçada, pela necessidade,
disse entender do assunto, pois foi sacristão em sua cidade natal. Conforme as
explicações convincentes, foi contratado.
Ocorre que o dito não entendia nada de santos, dizia-se católico, mas não frequentava
a Igreja, nem praticava a religião católica. A necessidade e as adversidades fizeram-no
mentir, ato que normalmente não praticava, mas o fizera, circunstancialmente, para se
empregar.

O patrão foi ao banco tratar de assuntos comerciais e deixou o empregado,
responsável pela loja. Uma senhora, “Corintiana roxa”, solicitou ao neófito vendedor
uma imagem de São Jorge, (santo que tornou-se centro de interesse e adoração da galera
do Esporte Clube Corinthians). Na dúvida, e, por intuição, levou uma imagem de São
Pedro, com chaves na mão, por entender ser o São Jorge solicitado. “O São Jorge que
procuro moço, monta um cavalo, porta uma lança que fere um dragão e essa não
corresponde ao que pedi”.
O rapaz, por falta de intimidade com o assunto, muito perspicaz e,
inteligentemente, para não se enganar mais uma vez, convenceu à senhora que São
Jorge se modernizara, não andava mais a cavalo e, acompanhando a tecnologia, agora
anda de carro, por isso, portava as chaves do veículo. Persuadiu-a a levar a imagem
ofertada. Embora com suspeição que o vendedor fosse torcedor de agremiação
concorrente, a compradora resmungava: “tudo está mudando, até os santos, quem diria,
estão se modernizando”. Com mal humor consigo mesma, achava um absurdo a
mudança repentina.

A fã do Corinthians fez orações, pedindo para que seu time de estimação
ganhasse o campeonato e o “santo”, embora trocado, foi fiel ao seu pedido.
 Por desconhecimento do vendedor, São Pedro fez a vez de São Jorge cumprindo
o seu papel de milagreiro e protetor do Esporte Clube Coríntias.

“Em momentos de crise só a imaginação é mais importante que o
conhecimento” (Albert Einstein)
 
 
     
     
 
comentários
 

Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

 
  Escrever comentário:
 
Nome:
 
E-mail (não será divulgado):
 
 Mensagem:
 
Voltar
 
outras notícias
 
19.Set.2017 - Comissão de Finanças da ALBA aprova contas de Rui Costa referentes ao exercício de 2015
19.Set.2017 - Atleta brumadense conquista título na 3º Edição da Corrida de Rua em Bom Jesus da Lapa
19.Set.2017 - Incêndio atinge Serra das Éguas em Brumado: Área corresponde a território da Magnesita
19.Set.2017 - AGORA FICOU MUITO MAIS FÁCIL COMPRAR A SUA CHURRASQUEIRA, VASOS ORNAMENTAIS OU FOGÃO A LENHA COM FORNO
19.Set.2017 - Semana do Administrador acontece em Bom Jesus da Lapa
19.Set.2017 - Eleitores de Malhada de Pedras podem ter títulos cancelados; total pode chegar a mais de 5 mil
19.Set.2017 - Strada 1.8 Adventure 2014/2015, completa com IPVA 2017 pago é na Taisan Auto
19.Set.2017 - Aracatu, Palmas de Monte Alto e outros municípios baianos são alvos de Operação da Polícia Federal
19.Set.2017 - Planalto vê Geddel instável e com chances de delatar
19.Set.2017 - Leão: Energia eólica será maior que hidrelétrica na Bahia; Chesf ‘prejudica’ São Francisco
eventos
08.09.2017
Desfile de 7 de Setembro em Brumado 2017
 
29.08.2017
Cavalgada de Barra da Estiva - A Top da Chapada
 
 
publicidade
 
publicidade
 
Entre Gospel Destaque Bahia © 2017 - Todos os direitos reservados. Hospedagem e Desenvolvimento: HD Soluções