publicidade
 
publicidade
 
publicidade
 
comentários
Mano Barreto em:
A segunda edição do Encontro de Motociclistas de Brumado promete movimentar o município
 
 
Maria aparecida santos moreira em:
Kezinha Produções realizou Páscoa Solidária em Brumado
 
 
Bell em:
Veículo passa por cima de pé de transeunte na faixa de pedestre em Brumado
 
 
joaquim barbosa em:
Tiro e confusão em Maetinga após abordagem da polícia ao vereador Chicãozinho
 
 
 
curta nossa fanpage
01.02.2014 - ARTIGO
 
VENDEDOR ASTUCIOSO
 
VENDEDOR ASTUCIOSO
Antônio Torres / Foto: Facebook / Destaquebahia.com.br
 
Por Antônio Torres.
 
Godofredo era nordestino e fez apenas o terceiro ano primário. Falava pelos
cotovelos. Trabalhava no eito e era uma fera no trabalho: fazia o serviço equivalente a
dois camaradas e, por isso, era muito requisitado e bem remunerado.
Com a crise que se alastrara pelo mundo, a falta de financiamentos e a
desvalorização dos produtos produzidos na roça, cujos preços eram inferiores aos gastos
de produção, as empresas e os proprietários de terras, empreendedores que davam
serviço aos trabalhadores rurais, retraíram-se, contendo-se, precavidamente diante das
incertezas. Ficaram na esperança de uma melhora e os empregos ficaram em baixa.
O indivíduo em pauta deslocou-se para o Estado de São Paulo, entendendo que
lá era a panaceia do emprego. E como sempre acontece em todos os lugares atingidos
pela crise, as empresas foram afetadas pelo desequilíbrio conjuntural entre a produção e
o consumo, acarretando aviltamento dos preços, falências, desemprego e
desorganização comercial. Por esse motivo, entraram na onda da demissão, negociando
com sindicatos e empregados a dispensa dos funcionários e para outras firmas mais
sólidas a redução de horas e diminuição do estipêndio, com intenção de proteger os
trabalhadores.

Diante dos fatos constatados, verificou tratar-se de uma grande ilusão ter ido
para São Paulo e passou a procurar qualquer trabalho que pudesse auxiliar no sustento,
contribuindo nas despesas com os parentes onde estava hospedado, pois achava-se
incomodado com a situação de dependente.

O protagonista, ao passar por uma casa comercial que vendia imagens de santos
e artigos religiosos, viu uma tabuleta solicitando empregado com experiência no ramo.
Apresentou-se ao empresário e por ter uma dialética desembaraçada, pela necessidade,
disse entender do assunto, pois foi sacristão em sua cidade natal. Conforme as
explicações convincentes, foi contratado.
Ocorre que o dito não entendia nada de santos, dizia-se católico, mas não frequentava
a Igreja, nem praticava a religião católica. A necessidade e as adversidades fizeram-no
mentir, ato que normalmente não praticava, mas o fizera, circunstancialmente, para se
empregar.

O patrão foi ao banco tratar de assuntos comerciais e deixou o empregado,
responsável pela loja. Uma senhora, “Corintiana roxa”, solicitou ao neófito vendedor
uma imagem de São Jorge, (santo que tornou-se centro de interesse e adoração da galera
do Esporte Clube Corinthians). Na dúvida, e, por intuição, levou uma imagem de São
Pedro, com chaves na mão, por entender ser o São Jorge solicitado. “O São Jorge que
procuro moço, monta um cavalo, porta uma lança que fere um dragão e essa não
corresponde ao que pedi”.
O rapaz, por falta de intimidade com o assunto, muito perspicaz e,
inteligentemente, para não se enganar mais uma vez, convenceu à senhora que São
Jorge se modernizara, não andava mais a cavalo e, acompanhando a tecnologia, agora
anda de carro, por isso, portava as chaves do veículo. Persuadiu-a a levar a imagem
ofertada. Embora com suspeição que o vendedor fosse torcedor de agremiação
concorrente, a compradora resmungava: “tudo está mudando, até os santos, quem diria,
estão se modernizando”. Com mal humor consigo mesma, achava um absurdo a
mudança repentina.

A fã do Corinthians fez orações, pedindo para que seu time de estimação
ganhasse o campeonato e o “santo”, embora trocado, foi fiel ao seu pedido.
 Por desconhecimento do vendedor, São Pedro fez a vez de São Jorge cumprindo
o seu papel de milagreiro e protetor do Esporte Clube Coríntias.

“Em momentos de crise só a imaginação é mais importante que o
conhecimento” (Albert Einstein)
 
 
     
     
 
comentários
 

Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

 
  Escrever comentário:
 
Nome:
 
E-mail (não será divulgado):
 
 Mensagem:
 
Voltar
 
outras notícias
 
25.Mai.2017 - Em encontro com governador, prefeita de Malhada de Pedras oficializa reivindicações
25.Mai.2017 - Prefeitura de Rio do Antônio divulga as atrações do São João de Ibitira
25.Mai.2017 - Brumadense fica no prejuízo de R$ 2.500,00 após anunciar venda de moto na internet
25.Mai.2017 - Ministério do Trabalho é evacuado após ameaça de bomba; PF está no local
25.Mai.2017 - Prefeitura de Rio do Antônio realizará audiência pública para prestar contas à população
25.Mai.2017 - Tricampeão! Bahia bate o Sport e volta a conquistar a Copa do Nordeste após 15 anos
25.Mai.2017 - ‘Ele escreveu que gritou muito, mas ninguém escutava’, diz mãe de espanhol que se perdeu na Chapada
25.Mai.2017 - MUDANÇAS: Major Jocevã deixará 34ª CIPM/Brumado para assumir o comando de Ipiaú
24.Mai.2017 - COMANDANTE GERAL DA POLÍCIA MILITAR VISITA A 34ª CIPM/ Brumado
24.Mai.2017 - Polícia recupera Smartphone roubado em posse de cigano em Aracatu
eventos
23.01.2017
Oggi Ciclo Tour 2017
 
04.01.2017
Inauguração da sede própria da Câmara de Guajeru
 
 
publicidade
 
publicidade
 
Entre Gospel Destaque Bahia © 2017 - Todos os direitos reservados. Hospedagem e Desenvolvimento: HD Soluções