• Antônio Lima fala sobre os avanços pela água que abastece Rio do Antônio

    Antônio Lima e o presidente da Câmara de Rio do Antônio André Berkovitz

    O morador de Rio do Antônio, Antônio Lima, é um dos maiores engajadores na luta em defesa da água para abastecer o município. Uma luta que vem de muitos anos e tem sido árdua, pois, segundo ele, ao longo destes anos enfrentam gigantes no município de Caculé, por meio da classe empresarial e da classe política, o que gera conflito para liberação do açude federal Truvisco para abastecer as populações dos municípios de Rio do Antônio e Guajeru.

    Antônio Lima faz uma ressalva que os municípios de Rio do Antônio e Guajeru também possuem o direito de distribuição da água de forma igualitária, assim como Caculé. “Mas também temos parceiros, como Gabriel Romano, membro da comissão de monitoramento do açude federal Truvisco e Lagoa da Horta. Ele tem sido um grande parceiro nesta luta na distribuição de forma igualitária para todos os municípios que precisa da água do Truvisco”, conta o morador rio-antoniense.

    Entre os avanços conseguidos, Antônio Lima cita como o principal o serviço de recuperação hidromecânico da válvula de fundo de descarga do açude Truvisco.

     

    Antônio Lima fala sobre os avanços pela água que abastece Rio do Antônio

    Barragem do Comocochico

    “Na semana passada estive averiguando o açude e houve até um ganho significativo no volume de água no açude, e registrei o Comocochico quase que vazando, quase que sangrando, se não fosse um barramento de concreto que fizeram no sangradouro do Comocochico estaria sangrando e a situação de Rio do Antônio estaria melhor hoje, motivo pelo qual eu já denunciei na coordenadoria do Inema de Vitória da Conquista e na Rede Ferroviária Federal.”

    “Mas a minha satisfação estar em saber que a obra de recuperação hidromecânica da válvula de fundo de descarga do açude já está bem iniciada pela empresa contratada. O valor da obra é de quase um milhão, com uma vigência de sete meses para conclusão da obra a partir de janeiro, mas pelo que conversei com a empresa eles querem executar muito antes do prazo da vigência constate na placa, em 30 ou 60 dias.”

    De acordo Antônio Lima, o serviço visa facilitar o fluxo da água pela válvula do fundo de descarga com volume de aproximadamente de 800 litros de água por segundo que é o suficiente para encher a barragem de Lagoa da Horta em poucos dias.

    “Esse serviço foi necessário, pois durante esses anos apareceram vândalos que danificaram as válvulas que impediu a vazão na sua normalidade. Com os registros danificados Truvisco tem hoje a capacidade de aproximadamente 260 litros por segundo. Quando abrir no volume máximo (800 litros de água por segundo) enche totalmente o leito do rio e em poucos dias a barragem está completa”, esclarece Antônio.

    Sobre a fiscalização

    “No dia 4 de maio de 2016 falei com representantes dos órgãos responsáveis pelo gerenciamento de recursos hídricos a nível nacional sobre a fiscalização. Disse que eles têm grande responsabilidade pela crise hídrica que nós atravessamos em Rio do Antônio porque não exerceram o seu papel”.

    Licitação

    O morador rio-antoniense disse que a licitação da adutora do açude do Truvisco até Rio do Antônio já existe e está marcada para o dia 27 de fevereiro de 2018. Ele espera que a licitação seja concretizada para ter a adutora como opção no período de escassez, pois o município vive este período desde 2010.

    “O que queremos com tudo isso é que a água de Comocochico sangrando, tendo chuva suficiente ela chegue a Rio do Antônio, abastecendo a barragem de Lagoa da Horta. Espero providência do Inema e da Rede Ferroviária Federal que entendendo que aquele barramento de concreto no sangradouro do açude Comocochico é ilegal e exijo providências e até peço que seja feita demolição caso eles considerem ilegal o barramento”, completa Antônio Lima.