O prédio da 14 David Flusser Street, de pedras amarelas, funcionava desde 2010 com Consulado americano em Jerusalém, segundo jornal americano Washington Post. Foi reformado e ganhou novos equipamentos de segurança, a um custo total de 400 mil dólares. Em um primeiro momento, apenas o embaixador Friedman e seus colaboradores mais próximos passarão a trabalhar dali. Não há espaço para os demais.

Ontem, o Ministério das Relações Exteriores de Israel recebeu cerca de 1.200 pessoas em uma recepção prévia ao traslado das embaixadas. Na lista estavam congressistas americanos, líderes religiosos, políticos israelenses e outros convidados.

A principal organizadora das celebrações de hoje foi a ministra de Cultura de Israel, Miri Regev, uma política provocativa e leal a Netanyahu que atualmente é conhecida como a “Trump de saltos altos”. Seu objetivo é terminar o dia com “zero mortes”, como comentou durante uma de suas vistorias para os eventos.(VEJA.com 

CONTINUE LENDO