“Além de representar a ampliação dessa indústria no estado, a produção desses medicamentos vai significar, para o SUS, sensível redução de custos para sua aquisição”, destacou. De acordo com o executivo, a hidroxiureia foi introduzida na lista de medicamentos estratégicos na última reunião do Grupo Executivo do Complexo Industrial da Saúde (Gecis), o que o coloca como potencial participante do sistema de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDPs) – acordos de transferência de tecnologia entre laboratórios privados e públicos – e o qualifica para compra centralizada por parte do Ministério da Saúde. A Bahiafarma pleiteia que os outros dois medicamentos também passem a integrar a lista de medicamentos estratégicos. “Além disso, serão criados empregos qualificados no interior da Bahiafarma, haverá domínio local de um processo tecnológico avançado e estratégico e o Estado passará a ter uma nova e importante fonte de receita, contribuindo, ainda mais, para a descentralização do Complexo Industrial da Saúde no País”, observou Dias.

CONTINUE LENDO