publicidade
 
publicidade
 
publicidade
 
comentários
ELISEU AURELIANO DA ROCHA em:
Um morre e outro fica gravemente ferido durante briga no município de Tanhaçu
 
 
Iana Lopes em:
Açougueiro vítima de acidente quando bandido empreendia fuga em Brumado, morre no hospital
 
 
Bernabe neto em:
Homem é morto pelo próprio sobrinho na zona rural de Aracatu; autor foi preso
 
 
José Silveira da Rocha em:
Governo do Estado publica edital de licitação para implantação do Sistema de Abastecimento de Água de Piabanha em Aracatu
 
 
 
curta nossa fanpage
13.08.2014 - REFLEXÃO
 
'Perguntar se suicídio passa pela cabeça é importante', diz psiquiatra
 
'Perguntar se suicídio passa pela cabeça é importante', diz psiquiatra
O ator Robin Williams em foto de 15 de junho de 2007 (Foto: Reed Saxon/AP)
 

Ator Robin Williams se enforcou com um cinto nesta segunda-feira (11).
Psiquiatra afirma que abordar o assunto dá espaço para tratamento.

O histórico de depressão e de dependência de álcool, características apresentadas pelo ator Robin Williams, são dois importantes fatores de risco para o suicídio. O ator de 63 anos morreu nesta segunda-feira (11) depois de se enforcar com um cinto, de acordo com a polícia local. Segundo a agente do ator, Mara Buxbaum, ele estava lutando contra uma depressão severa e já tinha sido internado várias vezes em clínicas de reabilitação por problemas com drogas e álcool. A última internação tinha sido em julho.

O psiquiatra Geraldo Possendoro, professor convidado de Medicina Comportamental da Unifesp, diz que, em mais de 90% dos casos de suicídio, a pessoa já tinha alguma doença psiquiátrica. “Quando a pessoa não se trata e começa a usar os ‘remédios ruins’ para tratar a depressão, como drogas e álcool, ela está acumulando fatores de risco para suicídio”, explica.

Ele acrescenta que não é incomum que pessoas com depressão e que não são tratadas adequadamente recorram a drogas e álcool para aliviar o sofrimento da depressão. O contrário também pode acontecer, de acordo com a psiquiatra Maíra Della Monica Machado. “A pessoa que faz uso abusivo de álcool e drogas também pode cair em um quadro depressivo.”

A médica enfatiza os riscos da combinação desses fatores: “Uma pessoa que está deprimida e faz uso de substâncias acaba tendo um rebaixamento da crítica, do nível de consciência e fica com mais coragem para cometer suicídio. Por isso orientamos total abstinência para pacientes com pensamentos suicidas e ideias de morte.”

Para Possendoro, pensar em suicídio é mais comum do que se possa imaginar e é importante que amigos e familiares conversem sobre o assunto com a pessoa. “Existe o mito de que conversar sobre o assunto pode induzir alguém a tentar. Isso é falso, ninguém comete suicídio por ter conversado sobre isso. Muito pelo contrário, abordar o assunto, perguntar se a ideia de suicídio passa pela cabeça dela é importante porque pode dar espaço para que a pessoa seja tratada e que o suicídio não aconteça”, diz.

Período crítico
A psicóloga Karen Scavacini, cofundadora do Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio, avalia que o ator estava em um período que pode ser considerado crítico: logo após ter alta de uma clínica de dependência e depois de um período de recaída no consumo de álcool e drogas. “Nesses momentos, a família precisa ficar mais atenta”, diz.

Ela observa que a idade do ator também é mais propensa a tentativas de suicídio. "Começa uma fase de muitas perdas, perda da saúde, com a aposentadoria tem a perda do trabalho. Como a sociedade não aceita o envelhecimento, isso deixa as pessoas muito mais isoladas, elas perdem o lugar a que pertenceram."

Além dos sinais diretos que a pessoa emite quando tem a intenção de se matar – falar explicitamente que quer morrer, por exemplo – alguns sinais indiretos também podem ser percebidos. “A pessoa começa a se despedir de parentes e amigos, pode apresentar muita irritabilidade, sentimento de culpa, choros frequentes. Também pode começar a colocar as coisas em ordem e ter uma aparente melhora de um quadro depressivo grave, de uma hora para outra. Muitas vezes, isso significa que já se decidiu pelo suicídio, por isso fica mais tranquila. É a falsa calmaria”, diz. Comportamentos de risco desnecessários também podem ser observados nesse período. (Do G1, em São Paulo)

 
 
     
     
 
comentários
 

Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

 
  Escrever comentário:
 
Nome:
 
E-mail (não será divulgado):
 
 Mensagem:
 
Voltar
 
outras notícias
 
19.Nov.2017 - Polícia apreende drogas em ( nome do local): Três pessoas foram presas
18.Nov.2017 - Aproveite o Black Friday da Taisan Auto e compre o seu veículo
18.Nov.2017 - Começou ontem (17) o pagamento do segundo lote do PIS/PASEP para idosos
17.Nov.2017 - Resultados de exames de laboratório apontam que bactérias presentes em fezes estavam em bolos servido por escola em Rio do Antônio; dezenas de crianças passaram mal
17.Nov.2017 - Adriano se oferece para jogar de graça no Flamengo em 2018
17.Nov.2017 - Preso há um ano, Cabral pode pegar pena de até três séculos em ações ajuizadas
17.Nov.2017 - Vídeo: Ourivesaria é assaltada no centro de Brumado e câmeras flagram a ação dos bandidos
17.Nov.2017 - Novo golpe no WhatsApp promete passagens aéreas para fim de ano
17.Nov.2017 - É o Tchan deixará de usar 'ordinárias' e 'inocentes' para identificar banheiros em ensaio
17.Nov.2017 - IBGE: com resultados negativos na indústria e serviços, PIB da Bahia cai 3,4% entre 2014 e 2015
eventos
08.09.2017
Desfile de 7 de Setembro em Brumado 2017
 
29.08.2017
Cavalgada de Barra da Estiva - A Top da Chapada
 
 
publicidade
 
publicidade
 
Entre Gospel Destaque Bahia © 2017 - Todos os direitos reservados. Hospedagem e Desenvolvimento: HD Soluções