publicidade
 
publicidade
 
publicidade
 
comentários
José Silveira da Rocha em:
Governo do Estado publica edital de licitação para implantação do Sistema de Abastecimento de Água de Piabanha em Aracatu
 
 
Aliane Aguiar em:
Homem é preso com 9 kg de maconha em Guanambi, no Bairro Beija Flor II
 
 
Leandro Vieira de Andrade santos em:
GUANAMBI: CÂMARA APROVA CRIAÇÃO DE GUARDA CIVIL ARMADA
 
 
Reginaldo em:
Caminhão roubado em Urandi pode ter dispensado a carga em Brumado
 
 
 
curta nossa fanpage
23.08.2016 - REFLEXÃO
 
Mulheres representam apenas 14,48% dos postulantes às prefeituras da Bahia
 
Mulheres representam apenas 14,48% dos postulantes às prefeituras da Bahia
Foto: Agência Brasil
 

Apenas 14,48% dos postulantes às prefeituras do estado nas eleições deste ano são mulheres, de acordo com dados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O número considera todos as candidaturas registradas junto à Justiça Eleitoral. No caso dos ocupantes da vice nas chapas, o número é ligeiramente maior: 16,27%. Os índices expressam a baixa mobilização das mulheres na concorrência a cargos eletivos – neste sentido, a legislação prevê inclusive um dispositivo que determina uma cota de 30% nas chapas – o número foi alcançado levando em consideração as candidaturas a vereador e o cômputo geral: 30,78% dos candidatos a todos os cargos são mulheres. A prefeita de Cardeal da Silva, Maria Quitéria, reeleita em 2012 e presidente da União de Municípios da Bahia (UPB), foi uma exceção e aponta que, para além do machismo, as dificuldades de gestão e custeio podem estar influenciando na baixa adesão de mulheres na disputa. “Infelizmente, o cenário político hoje e o descrédito, principalmente com relação a prefeitos. Temos vivido muitos problemas de gestão por causa da falta de autonomia que os municípios estão vivendo por conta da concepção dos programas do governo federal, os prefeitos perderam o poder de decisão”, avalia, pontuando que as mulheres tem um “nível de comprometimento maior” e por isso pensaria mais antes de se lançar à corrida eleitoral. “Como ser prefeita de uma cidade se você não vai poder resolver ou tentar resolver os problemas”. De acordo com Quitéria, por essa razão, várias mulheres atuantes na política resolveram deixar suas carreiras eletivas em modo de espera.

O machismo estrutural, no entanto, dificulta o caminho das mulheres que resolvem entrar na concorrência. Uma vez eleita, elas enfrentam diversas dificuldades até firmar seu nome entre os pares. “A mulher tem que provar duas vezes que ela competente, tem que provar diariamente”. No atual cenário político, a relação com os aliados políticos é ambígua: ao mesmo tempo em que eles são necessários, a necessidade de se desvincular dos padrinhos políticos é ainda maior. “Você tem dificuldade de conseguir recursos se não tem relações políticas, verbas por emendas parlamentares”, ressalta. “Sempre brinco que fui a minha deputada do meu município, muitos recursos consegui por meio de projetos”. A idade, associada ao gênero, pode ser um fator complicador. “Por ser mulher e ainda jovem, pior ainda. Pensam: “ah, é a menina bonitinha, mas não sabe de nada. Foi o marido, o pai, alguém que colocou na politica”, cita. Ela mesmo já recebeu, sobre si, a menção como uma “surpresa boa”. “Quantas vezes ouvi: 'essa menina ganhou eleição, nem acreditava nela. Sabia que ela tinha vontade, mas não que iria ser assim”, exemplifica. No seu caso, além da juventude – hoje a socialista tem 38 anos – a beleza pesou na hora de ter sua atuação colocada à prova. “Na verdade, desde o início do meu mandato colocaram isso, um foco não no meu trabalho, não na minha competência. Isso não deixou de ser um desafio, para mostrar mesmo que isso era secundário, mostrar meu trabalho, minha competência, minha capacidade”, afirma ela, que ganhou posição de destaque ao assumir a  UPB, para qual foi reeleita com 70% dos votos. “Às vezes tive que ser grossa para sair de algumas situações. Graças a Deus, as pessoas me respeitam muito, Com meu jeito de brincalhão, sou amiga de todo mundo, não fiquei inimiga de ninguém. Não tem coitadinha. As mulheres são dignas, são corretas. Escolheram suas profissões porque sabiam o que queriam, por isso estão nos lugares onde estão”.



Mulheres representam apenas 14,48% dos postulantes às prefeituras da Bahia
Foto: Cláudia Cardozo/ Bahia Notícias
 
 
     
     
 
comentários
 

Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

 
  Escrever comentário:
 
Nome:
 
E-mail (não será divulgado):
 
 Mensagem:
 
Voltar
 
outras notícias
 
19.Set.2017 - Comissão de Finanças da ALBA aprova contas de Rui Costa referentes ao exercício de 2015
19.Set.2017 - Atleta brumadense conquista título na 3º Edição da Corrida de Rua em Bom Jesus da Lapa
19.Set.2017 - Incêndio atinge Serra das Éguas em Brumado: Área corresponde a território da Magnesita
19.Set.2017 - AGORA FICOU MUITO MAIS FÁCIL COMPRAR A SUA CHURRASQUEIRA, VASOS ORNAMENTAIS OU FOGÃO A LENHA COM FORNO
19.Set.2017 - Semana do Administrador acontece em Bom Jesus da Lapa
19.Set.2017 - Eleitores de Malhada de Pedras podem ter títulos cancelados; total pode chegar a mais de 5 mil
19.Set.2017 - Strada 1.8 Adventure 2014/2015, completa com IPVA 2017 pago é na Taisan Auto
19.Set.2017 - Aracatu, Palmas de Monte Alto e outros municípios baianos são alvos de Operação da Polícia Federal
19.Set.2017 - Planalto vê Geddel instável e com chances de delatar
19.Set.2017 - Leão: Energia eólica será maior que hidrelétrica na Bahia; Chesf ‘prejudica’ São Francisco
eventos
08.09.2017
Desfile de 7 de Setembro em Brumado 2017
 
29.08.2017
Cavalgada de Barra da Estiva - A Top da Chapada
 
 
publicidade
 
publicidade
 
Entre Gospel Destaque Bahia © 2017 - Todos os direitos reservados. Hospedagem e Desenvolvimento: HD Soluções