• Hoje é Dia do Professor, Antônio Torres e o Destaquebahia o homenageia

    Por Antônio Torres.

    Homenageio os valorosos professores pela passagem da comemoração do seu dia, (15/10). Dentre eles, cito, com ênfase, os do ensino fundamental, os que lidam com crianças ainda em formação do aprendizado. Fazendo pesquisas sobre o assunto, deparei-me com um artigo da Irmã Lídia da Pastoral da Criança, cujo conteúdo, pela abrangência e realidade, coincide com os meus sentimentos e esperanças. Transcrevo-o na íntegra, por achar justas, perfeitas e realistas as colocações nele contido.

    “PARABÉNS, PROFESSOR!”

    “Por ocasião do Dia do Professor, saudamos com respeito e consideração a vocês que se dedicam com entusiasmo à educação e compreendem como um processo histórico e social que atinge o ser humano em todas as suas dimensões e relações, impulsionando o seu desenvolvimento, colaborando para atualizar suas potencialidades e capacidades, buscando sua realização como pessoa humana e criatura de Deus.

    A educação é um serviço para a construção de uma sociedade em que todos tenham vida digna, capacidade crítica e ação transformadora, visando ao bem comum.

    A dignidade do professor é decorrente da opção que fez ao colocar-se a serviço da pessoa humana, assumindo a missão educadora, comprometendo-se numa comunidade educativa que visa humanizar, personalizar, desenvolver os relacionamentos da pessoa consigo, com os outros e com Deus, colaborar no desenvolvimento das potencialidades humanas.

    Nessa perspectiva trabalham, por vocação, com os valores mais altos quais sejam: a vida, o amor, a justiça, a solidariedade, a participação, a cidadania, o trabalho, a consciência ética, dons intelectuais e espirituais, encontrando sua realização pessoal em colaborar para a plena realização daqueles de quem está a serviço.

     

          

    Diante dessa dedicação generosa e tão nobre causa, é correta a luta que realizam por uma política educacional autêntica que possibilite alcançar a finalidade da educação, escola para todos, condições de trabalho, respeito à sua dignidade, remuneração justa.

     Acompanhamos os desafios que agridem o campo da educação no seu aspecto social: a pobreza, a marginalização, doenças; no campo político: a falta de políticas educacionais adequadas; no campo moral: a corrupção; no campo econômico: o custo de vida, os salários baixos, a competição desleal. Tudo isso nos indigna.

    Animamos os professores que buscam uma espiritualidade, uma mística que os sustentem em seu trabalho. Optem pela defesa da vida, acreditem no valor da pessoa humana, defendam um processo educativo libertador, não aceitem ser meramente um profissional, associem-se na busca de novos métodos e pela coesão do grêmio.

    A pedagogia de Deus na educação de seu povo em busca de libertação e da terra prometida tem sido a inspiração para a atividade de muitos professores. Ele parte da realidade concreta de um povo que necessita de vida, liberdade e condições humanas e sociais. Com amor, paciência, generosidade, ajuda o povo, num crescimento progressivo, a alcançar um objetivo definido: ser livre e encontrar a salvação. Corrige-o nas fraquezas e infidelidades e se alegra com sua organização e com as conquistas alcançadas. Por isso, agradecemos àqueles que buscam aprimorar a sua formação para que o exercício de sua missão seja testemunho marcante na vida dos educandos”.

    O professor é o luminar da sociedade, o qual ajuda a modelá-la, usando toda sua experiência, competência e comprometimento com a causa da formação educacional voltada para os princípios básicos da cidadania. são os formadores dos futuros cidadãos.
    No meu tempo de estudante, recebíamos instrução religiosa, moral e cívica, matérias imprescindíveis na formação da personalidade e do caráter do indivíduo, e foram, absurdamente, retiradas da grade curricular.

    Cabe também aos docentes, como formadores de opinião, incutir no aluno princípio de moralidade e cidadania.

     Ao homenagear os professores, faço-o também a todas as outras classes e categorias de profissionais, porque daqueles dependem todos para a sua formação intelectual e profissional. O governo, infelizmente, privilegia uma política globalizada que adotou a especulação financeira como prioridade em detrimento dos trabalhadores.

     




MAIS NOTÍCIAS