Na ocasião, Maiara teria alegado, através da documentação, ser descendente quilombola e morar numa comunidade quilombola no município de Livramento de Nossa Senhora, para poder ser beneficiada através das cotas durante o processo seletivo. Agora, a estudante, que ainda continua cursando a graduação, pode ser expulsa da universidade. (Fonte: Rodrigo Ferraz)

CONTINUE LENDO